Ernani Appratto: um talento do violão reconhecido em todo Sul do Brasil

Compartilhe
  • 380
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    380
    Shares

Profissional em violão de 6 e 7 cordas, o músico alegretense Ernani Appratto, aos 64 anos, prefere dizer que está em standy by.

Como bom músico que marcou época, atualmente se dedica ao artesanato. Junto com a esposa Marta Falcão, administra um sortido ateliê de obras criadas por eles mesmos.

Ernani ainda é o mesmo de décadas atrás, basta um violão para ele mostrar seu dom. Violonista de carteirinha, é compositor, musicista, arranjador e produtor musical. Recentemente, se desfez de um estúdio construído na sua própria casa.

Possui cinco CDs gravados e um DVD intitulado “A Arte de Ernani Appratto” lançado em Pelotas no Teatro Guarani, em seguida no Teatro da Ospa em Porto Alegre e em outras regiões do Estado.

 

Apratto gravou com grupos de músicas regionalistas, como Os Piazitos do Fandango Ex: (Morena Linda) e os Monarcas Ex: (Milonga pra ti) que vendeu mais de 100.000 mil cópias de CDs no sul do Brasil e alcançou Disco de Ouro.

Em 1982 conheceu o cantor alegretense Wilson Paim e lá se foram 25 anos de carreira com o cantor romântico. Recorda o estrondoso sucesso do LP “Martin Pescador”, com composições próprias e dois solos de violão nas letras “Índia” e “Pajaro Campana”.

Em vários festivais nativistas foi premiado como “Melhor Instrumentista”, relíquias que guarda até hoje na sala de sua residência. Possui Diploma de participação no Concurso da Canção do 4º Batalhão Logístico, em âmbito nacional em 19 de Outubro de 1999.

Participou como jurado no Grande Rodeio de Vacaria por mais de dez anos. Conta que em 1988 concluiu o curso de musicalização realizado pela 29ª Delegacia de Educação. Também, foi integrante do Conselho Municipal de Cultura de Alegrete e primeiro Diretor do Museu Gaúcho de Alegrete.

Vencedor de vários concursos de violão em nível estadual e até internacional, o músico foi figura principal de um recital de violão na Argentina, na cidade de Paso de Los Libres, representando o Campus Universitário da Região da Campanha onde foi acadêmico do curso de Direito.

Além disso, foi o primeiro músico alegretense a receber o Mérito Legislativo pela brilhante trajetória no mundo da música e também recebeu o Troféu Destaque em música, promovido pela sociedade alegretense.

Ernani diz que o seu primeiro CD foi prefaciado pelo grande Maestro da OSPA, Túlio Belardi, e o 6° CD, Tangos, foi prefaciado pelo amigo e apresentador do Galpão Nativo, Glênio Fagundes, e o 7° pelo amigo e compadre Wilson Paim.

Hoje a música é um hobby, um belo passatempo, “No momento nos dedicamos ao artesanato e possuímos uma loja chamada Artesanato Alegrete”- comentou. No entanto, ele não larga o violão, as 7 cordas são dedilhadas quase que semanalmente entre um solo e outro em dueto com outros músicos.

Praticante de musculação e karate, o violonista de “Pajaro Campana” se diz cheio de saúde e esbanja vitalidade.

“Nasci em 1956 e já passei por todos os tipos de doenças nesses 63 anos. Graças a deus, estamos resistindo bravamente. Temos que nos cuidar”, falou o alegretense Ernani Apratto sobre a pandemia do novo coronavírus.

Júlio Cesar Santos               Fotos: acervo pessoal


Compartilhe
  • 380
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    380
    Shares