Argentinos e filha de cinco anos fazem malabares para ganhar a vida em sinaleira de Alegrete

O alto preço de tudo e a crise na Argentina fez com que se aventurem a tentar a vida no Brasil. O objetivo é chegar em Santa Catarina.

Casal de argentinos fazendo malabares
Casal de argentinos fazendo malabares

A crise econômica Argentina acirrada pela pandemia mostra o duro sofrimento do povo menos favorecido no país vizinho.

Essa situação tem feito com que muitos se aventurem, até mesmo com filhos pequenos para o Brasil, em busca de melhores condições de vida.

Leia Mais:Homem é preso por ameaçar ex-companheira com facão

Alegrete está entre as rotas desses hermanos que ficam nas sinaleiras fazendo malabares em busca de trocados para poder sobreviver.

Mesmo com a chuvada ultimamente la estavam eles na sinaleira.

casal Argentino fazendo malabares em Alegrete
Casal argentino fazendo malabares em Alegrete

Há quatro dias chegou à cidade o casal, Lucia Suarez e Angel Ruiz e mais a pequena Delfina Suarez de 5 anos.

Na esquina da Panvel, da praça Getúlio Vargas, eles fazem os malabares quando o sinal fecha.

Angel Ruiz fazendo malabares
Lucia Suarez fazendo malabares

Angel disse que veio para o Brasil em busca de trabalho porque está tudo muito caro em seu país, a crise é grande. O casal e a filha são da cidade de Bragado – Província de Buenos Aires.

Leia Mais: Para eles o amor supera tudo, até sutis diferenças

Além de malabares, o rapaz de 27 anos tem Técncio em Comércio e sabe trabalhar em padaria, ajudante em restaurante. A jovem Lucia sabe trabalhar com costura.

Eles chegaram a ir para o albergue municipal, mas dizem que não ficaram porque a filha não quer dormir separada do pai, e no albergue os homens dormem separados das mulheres.

filha do casal dormindo na casa de táxiis da Praça
Filha do casal dormindo na casa de táxis na Praça Getúlio Vargas

Eles estavam com suas mochilas na casa de táxis da Praça, onde a filha dormia, depois do almoço que ganhou de uma pessoa que trouxe a eles.

-Para conseguir nosso objetivo vamos trabalhar e trabalhar, disse Ruiz com as pelotas nas mãos, ao lembrar que faz malabares com bandeiras e outros objetos.

Leia Mais: Morador denuncia descarte irresponsável de lixo nas ruas do bairro

Casal com a filha de 5 anos
Casal com a filha de 5 anos

A CRISE

Em meio a uma inflação de 60% e a desvalorização do peso frente ao dolar, a Argentina vive uma de suas maiores crises.

A economista Silvina Batakis, ligada à vice-presidente Cristina Kirchner, assumiu o cargo com a missão de negociar a dívida de 44 bilhões de dólares da Argentina com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e apresentar soluções para a crise.

Leia Mais: Homem, acusado de pedófilo, é ameaçado com pistola em via pública

Essa semana, Batakis se reuniu com credores internacionais em Washington, nos Estados Unidos, e a diretora do FMI, Kristalina Georgieva. A nova ministra da economia também vem mantendo interlocução com o Banco Mundial — a entidade acaba de anunciar um empréstimo de 200 milhões de dólares para pequenas e médias empresas argentinas. O impasse na economia, no entanto, continua.

Com informações da Exame

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários