fbpx

Burocracia e regras esdrúxulas do INSS massacram trabalhador que precisa de perícia
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No final da tarde do dia 2 de setembro de 2020, um violento acidente na BR 290 deixou um homem, de 31 anos, em óbito e outros dois feridos. Conforme informações da PRF,  naquele dia, o condutor da caminhonete D-20, de uma empresa de perfuração poços artesianos(Aguatec), trafegava sentido Rosário do Sul/ Alegrete. Ele teria perdido o controle do veículo e colidiu violentamente contra árvores e um barranco no KM 572 da BR290. O acidente foi cerca de 2KM do trevo de acesso à RSC 377. Ainda segundo relato do proprietário da empresa, os três funcionários estavam em uma propriedade cerca de 10KM da cidade, na localidade do Lageadinho. A empresa trabalha com abertura de poços artesianos. A vítima fatal foi identificada, Igor de Melo Valau.

 

Vagner Souza, terapeuta psicanalítico, redescobriu a vida e todas suas possibilidades no Rio de Janeiro

 

Passados quatro meses do acidente, uma das vítimas ainda busca de forma desesperada realizar uma perícia, pois o INSS, de forma digital, não tem a opção de acidente de trabalho, conforme explicou a esposa de Bruno Morteu – Greice Seidenkranz. “Todas as maneiras que tentamos agendar deu indeferido pois solicita um período de carência, que meu esposo ainda não tinha, mas isto, é em relação a auxílio doença, não acidente de trabalho”- explica.

De Alegrete para Nova Déli; o salto da modelo internacional Géssilla Carvalho

Greice acrescenta que, neste período, ela é quem está sustentando a família com venda de salgadinhos, mas a situação é muito difícil, pois também é autônoma. Além do esposo não receber nenhum auxílio, ele também não tem condições de retornar a trabalhar devido as sequelas recentes do acidente que, por muito pouco, não o vitimou de forma fatal, também.

 

Bruno teve 5 costelas quebradas, perfurou pulmão, levou 35 pontos na perna e, até hoje o pé fica inchado por ter afetado um vaso sanguíneo, assim como, faz uso de medicamentos diariamente em razão das dores na coluna. No próximo dia 19, depois de muita luta, através de um advogado, a família conseguiu que Bruno realize a primeira perícia. Mas isso só é possível em Santa Maria, como todos sabem, não há peritos em Alegrete. Desta forma, eles precisam de auxílio, pelo menos para o combustível, pois, até o momento, conseguiram um carro emprestado. Inclusive com familiares do jovem que faleceu no dia do acidente. Quem puder auxiliar, pode entrar em contato através do número 55 99689 – 3156.

Alegretense monta oficina de bike e café auto sustentável em Santa Cruz do Sul

Veja a mensagem que Greice deixou em seu perfil e solicitou que as pessoas compartilhassem na intenção de que alguém possa ajudá-los:

Desabafo….

Quatro meses de um acidente que ceifou uma vida, devastou famílias e um descaso total. esse é o período que meu esposo sofreu um grave acidente de trabalho(sim de trabalho pois ele estava na caminhonete da firma) e, neste mesmo período, o INSS, analisava, analisava e negava a perícia.

Sim, eles negam por falta de carência! Mas carência para acidente de trabalho? Um acidente que levou o amigo do meu marido e, por muito pouco, não o arrancou de nós. Depois alegaram falta de legitimidade nos atestados(falta de provas),falta de provas? Meu marido quase morreu,  ficou na UTI, quebrou cinco costelas, perfurou pulmão, levou 35 pontos na perna que o pé incha por ter afetado um vaso sanguíneo, toma medicamentos todos os dias para as dores nas costelas e coluna e isso não é suficiente para o INSS?

já foi feita uma reportagem, aqui em casa, pela RBS TV ,já corremos para todos os lados e as forças estão se esgotando, se ele estivesse bom,  já estaria trabalhando. Só eu sei o quanto dói ver ele desta maneira(sendo tratado como se fosse ninguém) quando mais precisa”- conclui.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •