Comunidade escolar da EMEB Vilaverde Moura protesta pela perda do projeto Cívico-Militar

Professores, funcionários e a comunidade escolar do bairro Piola e demais adjacentes, realizaram uma manifestação em frente ao Educandário na manhã de hoje(29). O protesto foi em razão da EMEB José Antônio Vilaverde Moura ter pela segunda vez sido retirada do programa Cívico-Militar.

Eles disseram que o abraço não era na escola e sim, no diretor Jonas Guerra, que está se sentindo envergonhado perante pais e a comunidade escolar.

O debate entre todos era unânime. Estavam perplexos pela forma que a situação foi colocada. “Eles nos tiraram por duas vezes o projeto. Estamos trabalhando de forma intensa, apoiando nosso diretor que realiza um brilhante trabalho, desde setembro” – disse uma das mães.

Jonas Guerra, diretor do educandário, ressaltou que em setembro cinco escolas do município mostraram interesse, nas apenas a Emeb Vilaverde Moura atendeu um dos principais requisitos, segundo ele, a mobilização da comunidade escolar. Além desse, também estavam inseridos pela vulnerabilidade e pelo IDEB.

 

O presidente do bairro, Joceli Oviedo,  evidenciou o quanto a notícia deixou todos abalados, a escola compreende oito bairros da Zona Sul e todos estavam engajados na causa. ” Compartilhamos, comemoramos e, simplesmente de uma hora para outra com uma reunião às pressas devido ao fato da escola não ter atingido o número de alunos, no mínimo 500 no ensino fundamental, nos tiraram uma conquista que foi da comunidade escolar devido ao seu empenho junto ao diretor Jonas. Estamos perplexos com o descaso com a população da zona Sul. Também, nos questionamos por que o Oswaldo Aranha? E as outras escolas estaduais não deveriam ter a mesma oportunidade?- questionou.

O vereador Monteiro também participou da manifestação e, desde a tarde de ontem está junto aos pais, alunos, funcionários e direção. A palavra que sintetiza é: indignação” falou.

A EMEB Antônio José Vilaverde Moura teve 89% de aceitação da comunidade escolar para o programa cívico-militar. No dia 21 foi anunciado que Alegrete seria contemplada e primeira escola da lista, seria a EMEB, mas foi anunciado o Oswaldo Aranha, depois de uma manifestação de professores, pais entre outros, em um abraço para que o modelo não fosse implementado. O Deputado Tenente Coronel Zucco anunciou que a EMEB seria o educandário. Porém, tudo mudou na tarde de ontem, depois de uma rápida reunião com Prefeito Márcio Amaral, Secretária de Educação, Márcia Dorneles e os diretores da EMEB José Antônio Vilaverde Moura e do Oswaldo Aranha. Novamente o IEEOA foi anunciado como a escola que vai implementar o programa.

“O nosso diretor levantou a escola, ele realmente trabalha para todos, nosso abraço é para ele. Estamos solidários a ele e as nossas crianças que estavam felizes com o fato da EMEB ter sido a escolhida e agora, todos tristes” – disse um dos pais.

A troca do educandário se deu depois da EMEB José Antônio Vilaverde Moura não ter preenchido um dos requisitos do MEC. O mínimo de alunos é de 500. A escola tem 190.

Compartilhe
  • 85
  •  
  •  
  •  
  •  
    85
    Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *