Destruir um patrimônio que é de todos; que lógica doentia move seus autores?

A comunidade do bairro Vila Nova, em Alegrete, está enfrentando uma situação triste e desoladora.

A geladeiroteca, um projeto criado pelo presidente Enio Santos e pelo vice-presidente Clisman Acorci no ano passado, tem sido alvo de atos de vandalismo que estão entristecendo os moradores e desmotivando as ações positivas na região.

Juliano Castro: a paixão pelo jornalismo levou o alegretense a voos mais altos

O projeto foi concebido com a intenção de proporcionar um espaço onde as pessoas pudessem ter acesso a livros e, posteriormente, com doações de roupas e calçados, ajudar também as famílias necessitadas. Localizada na rua Vereador Carbonel, próxima a uma parada de ônibus, a geladeiroteca foi pensada como uma iniciativa para incentivar a leitura e promover a solidariedade entre os moradores do bairro.

Pessoas com um século cada vez aumentam mais: Guiomar aos 102 anos ainda costura

Infelizmente, nos últimos tempos, tem sido recorrente que alguém passe pelo local e desrespeite o projeto, colocando todas as doações no chão, destruindo parte do material e causando uma cena lamentável.

Há suspeitas de que um indivíduo, conhecido por ser dependente químico e já envolvido em diversas ações negativas na região, possa estar por trás desses atos de depredação. Diante dessa triste realidade, a comunidade do bairro Vila Nova não pretende se deixar abater. Pelo contrário, os moradores estão unindo esforços para buscar soluções e evitar que o projeto seja prejudicado. A geladeiroteca é uma iniciativa valiosa para o bairro, promovendo a cultura, a educação e a solidariedade.

O presidente Enio Santos e o vice-presidente Clisman Acorci, responsáveis pela criação do projeto, acreditam que, com o apoio da comunidade, será possível superar essa fase e continuar fazendo a diferença na vida de todos.

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários