Grupo responsável por implantar um casco 3D em jabota entra para o Guinness World Records de 2022

Equipe composta por médicos veterinários, cirurgiões dentistas e designer executou o projeto em apenas um mês

Grupo responsável por implantar um casco 3D em jabota entra para o Guinness World Records de 2022
Grupo responsável por implantar um casco 3D em jabota entra para o Guinness World Records de 2022

Uma equipe brasileira entrou para o Guinness World Records de 2022 após reconstruir e implantar um casco 3D em uma jabota (fêmea de jabuti). O grupo responsável pelo feito é composto por médicos veterinários, cirurgiões dentistas e um designer.

A jabota, batizada de Freddie, teve o casco destruído em um incêndio no Cerrado, em uma região de Brasília, no qual perdeu 85% da carapaça e, posteriormente, ficou sem os 15% restantes. Quando foi encontrada, seu corpo já estava sendo devorado por larvas de moscas. Os veterinários que receberam ela são os irmãos Rodrigo e Mateus Rabelo e trabalham com animais silvestres. Eles contam que durante o processo de recuperação, ela sofreu duas crises de pneumonia e 45 dias sem comer.

A reconstrução precisou enfrentar muitos desafios técnicos para chegar ao final feliz.  No processo, foi utilizada a técnica “fotogrametria”, muito usada por arqueólogos para reconstruir crânios. Para construir a prótese, o designer do grupo, Cícero Moraes, recebeu diversas fotografias para fazer a volumetria da jabota. Além disso, ele recorreu a um jabuti saudável para utilizá-lo de parâmetro.

Para o designer, os dois momentos mais complexos desse processo foram a medição da prótese e a impressão em 3D. “Na medição, a gente nunca tinha feito isso e não podíamos errar”, ele recorda. Com relação a impressão, Moraes disse que a preocupação não era exclusiva em relação ao formato, mas com o tempo gasto em cada impressão. As peças maiores levaram 50 horas, cada uma, para serem impressas; enquanto as menores, a duração foi entre 28 e 35 horas.

As impressões foram feiras pelos cirurgiões dentistas Paulo Miamoto e Paulo Esteves, que as prepararam para que fosse feita a cirurgia posteriormente – que foi coordenada pelo veterinário Roberto Fecchio. O projeto, desde a fase inicial de digitalização até a colocação no corpo de Freddie, foi executado em um mês. Ao final, o engenheiro e artista plástico Yuri Caldeira pintou o casco da jabota para torná-la mais realística.

Moraes contou que a prova de que tudo tinha dado certo veio quando a jabota voltou da anestesia. “O primeiro movimento que fez foi se esconder no casco”, revelou. Agora, Freddie vive em uma chácara configurada para receber animais silvestres.

Por Martina Santos

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários