Idosa, de Alegrete, toca gaita de boca e não dispensa maquiagem aos 95 anos
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O alardeado amor próprio que devemos ter para fortalecer nosso valor, e assim podermos enfrentar a vida em todos os sentidos, para alguns não parece tarefa fácil.

Esperar que tudo esteja bom para ter esse amor, pode fazer com ele não se manifeste nas pessoas, porque a vida de ninguém é sem problemas ou desafios diários.

Mas um exemplo nada convencional de que se amar é fundamental vem da idosa, Clarinda Trindade Alves, de 95 anos, do bairro Promorar.

Ela conta que desde nova gosta de se maquiar e se cuidar, porque era jovenzinha e casou aos 17 anos, e a mãe dizia que a moça que cuidava da aparência ia manter seu casamento. Daí dona Clarinda sempre manteve esse cuidado com a aparência. A neta, Aline, diz que ela não fica um dia sem passar pó.

Lúcida, lembra de fatos de várias épocas de sua vida, das festas, do bailes que gostava muito e fazia questão de colocar seu melhores vestidos e, claro, caprichar na maquiagem.

Dona Clarinda nunca se alfabetizou, foi criada no Caverá e casou na Corte em Rosário do Sul onde constituiu família. Teve sete filhos Tereza, Edena, Alice, Emilce, Arquimedes (Arizoli e Leodoro- falecidos).

A família tem muito orgulho dela que, além de não dispensar a maquiagem, adora tocar gaita de boca.

Agora, também faz desenhos em um caderno, o que ajuda a exercitar a memória.

Os cuidados pessoais, também passam por ir no salão, diz a neta Aline que a acompanha.

Pela longevidade, às vezes não ouve direito, mas de acordo com a família, tem boa visão e até hoje tem cuidados com todos ao ponto de levantar à noite para tapar os demais da casa quando estão dormindo.

E com toda calma e experiência de quase um século de vida, ela também gosta de crianças e animais. E faz questão de manter o seu quarto em ordem com os bichinhos em cima da cama

Eles adoram ver a mãe se cuidando e dizem que ela é um exemplo aos mais novas e que sua atitude realmente ajuda na auto estima, inclusive deles, que às vezes tendem a relachar e não se cuidar como devem.

Vera Soares Pedroso

 Fotos Aline Alves

 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •