Lote com 3.200 doses da vacina de Oxford contra a Covid-19 chega em Alegrete
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As 116 mil novas doses que servirão para vacinar majoritariamente trabalhadores da saúde no RS, foram distribuídas para as 18 Coordenadorias Regionais de Saúde (CRSs), de acordo com os critérios populacionais dos grupos prioritários.

Em Alegrete, as 3.200 doses da 10ª CRS chegou às 13h04min. Pouco mais de 30 minutos, a equipe da coordenadoria regional já estava liberando a primeira entrega desta 2ª remessa da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19.

O município de Manoel Viana foi o primeiro a sair da 10ª CRS com 50 doses, diferente das 60 que havia recebido na 1ª remessa em 19 de janeiro.

As cidades de Santa Margarida do Sul (30), Quaraí (120) e São Gabriel (430) chegaram na sequência para buscar o imunizante de Oxford.

A cidade de Alegrete recebeu as 600 doses desta remessa por volta das 14h30min. Segundo a coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Alegrete Juliana Michael que esteve na 10ª CRS, as doses serão aplicadas a partir desta terça-feira (26).

A reportagem do Portal Alegrete Tudo acompanhou a logística de entrega das 7 primeiras cidades a chegarem em Alegrete. Os municípios de Maçambará (180) e Santana do Livramento (660), saíram da cidade com as doses por volta 15h.

Diferente da 1ª remessa quando a 3ª Capital Farroupilha foi a segunda cidade a receber o maior volume de doses, dessa vez foi a 3ª com 600 AstroZeneca. Uruguaiana liderou com 1.017 na primeira e agora leva 850 doses. Em segundo ficou o município de Santana do Livramento, com 660 nessa 2ª remessa.

A 10ª CRS já vacinou 4000 pessoas na primeira remessa, agora recebeu mais 3.200, totalizando 7.200 entre profissionais de saúde e idosos. Nesta 2ª remessa Alegrete disponibiliza vacina apenas nos profissionais de saúde que não foram imunizados ainda.

A segunda dose da vacina será aplicada em 12 semanas, quando há previsão de novo repasse dessa vacina por parte do Ministério da Saúde.

Produzidas no Instituto Serum, na Índia, ambas têm esquema de duas doses para completar a imunização. A CoronaVac, produzida em parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac, deve ter a segunda dose quatro semanas após a primeira, por isso teve apenas metade do lote (170,8 mil doses) distribuído aos municípios. A outra metade fica reservada com a SES para envio nas próximas semanas.

Já a vacina da Oxford/AstraZeneca, que tem no Brasil acordo com a Fiocruz, tem a segunda dose prevista para 12 semanas após a primeira. Pelo prazo maior entre as doses, terá todo a quantidade recebida já distribuída para uso. Até chegar o momento da segunda dose dos vacinados, um novo lote já deve estar disponível pelo Ministério da Saúde.

Para o primeiro lote, distribuído na última semana, além dos trabalhadores da saúde, também foram elencados como prioritários pessoas acima de 60 anos que residem em Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPI), pessoas com deficiência institucionalizadas e população indígena aldeada.

Até o último domingo (24), dados enviados pelos municípios já registram 76 mil doses aplicadas, sendo mais de 53 mil trabalhadores da saúde, 19 mil idosos residentes de ILPI, 2 mil indígenas e 622 pessoas com deficiência.

Júlio Cesar Santos


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •