O exemplo inspirador de como enfrentar o diagnóstico de uma doença grave
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Para se sentir melhor, a técnica de enfermagem, Mirta Alves fez cirurgia bariátrica e começou a perder peso como ocorre com as pessoas que fazem essa cirurgia. Na verdade, isso mascarou o que ela viria descobrir mais tarde – estava com um câncer que mudou sua vida.

Em maio de 2018 começou a sentir dor e sangramentos ao ir ao banheiro, em principio pensou ser hemorróidas e usou apenas pomada. Só que os sintomas pioraram e levaram  Mirta ao médico e o primeiro exame constatou lesões.  Ao ser perguntada se sentia dor ao sentar  e, com a solicitação de uma tomografia, veio o diagnóstico: uma lesão de 8cm e duas menores.

Militar é esfaqueado e menor de 16 anos é apreendida pela Brigada Militar em Alegrete

 

A partir daquele momento começou uma corrida contra o tempo, porque mesmo sem a biópsia, por eu ser da área de saúde, sabia que estava com câncer”. No início a Técnica de Enfermagem e Assistente Social só chorava sem saber como reagir.

-Quando o médico confirmou ser câncer, senti um branco, aquele silêncio pensando no que fazer, como agir. A primeira coisa que veio a cabeça é que a doença me escolheu e deveria reagir.” Ela diz que a partir daquele momento iniciou um esforço imenso para ter equilíbrio elevado, porque sabe que isso faz diferença. O apoio da família também é fundamental para quem precisa enfrentar um tratamento de câncer, coloca.

O professor José Romeu Oviedo morreu aos 67 anos

Mas enfrentar o tratamento é algo que depende basicamente do paciente, porque é só quem passa sabe o quanto o abalo é grande. Ela fez quimo e radioterapia e perdeu 12 quilos, além de ficar careca. -Eu me sentia cansada como se estivesse corrido uma maratona sem sair do lugar. Só Deus para dar força, porque o paciente sente a transformação no corpo, muda muita coisa e nunca mais seremos os mesmos depois de enfrentarmos a doença”, atesta.

Ela lembra dos que precisam ir de Van para as sessões e se emociona quando diz que é preciso o apoio da família e fé em Deus, porque é um dia após o outro.

Brigada Militar evita feminicídio no Parque dos Patinhos

Quase dois anos depois, Mirta Alves diz que ao saber que tem a doença, a pessoa não deve achar que está com uma sentença de morte, porque a Medicina e os tratamentos estão avançados e temos que lutar, porque temos muitas coisas a fazer nesta existência. Ela alerta para que as pessoas nunca desprezem sintomas diferentes, em seu corpo, e procurem um médico.

-Acredito que a doença e tudo o que passei e, ainda tenho que fazer, seja uma provação para eu me voltar mais para Deus, agradecer e saber que dobrar os joelhos é sinal de humildade, diante da grandeza do ser superior, atesta.

Vera Soares Pedroso

Fotos: Arquivo pessoal


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •