O oxigênio que respiramos não vem da Amazônia nem dos oceanos, vem da Grande Oxigenação

O oxigênio é o elemento químico mais abundante na superfície terrestre e todos sabemos da importância desse elemento.

O oxigênio que respiramos não vem da Amazônia nem dos oceânos, vem da Grande Oxigenação
O oxigênio que respiramos não vem da Amazônia nem dos oceânos, vem da Grande Oxigenação

Ele forma o gás oxigênio (gás presente no ar atmosférico que é indispensável à vida de animais e vegetais).

Na sua época de colégio, você deve ter escutado muito o professor de Geografia falar que o oxigênio que respiramos vem do oceano ou das florestas tropicais. No entanto, o biólogo espanhol, Carlos Duarte – uma das maiores autoridades nos estudos da vida oceânica – declara que essa afirmação não possui respaldo científico.

Tanto no oceano quanto nos ecossistemas terrestres percebe-se que há uma grande produção de oxigênio. Porém, a maior parte do oxigênio produzido é consumido pelos próprios organismos do sistema. Segundo Duarte, isso se aplica tanto no caso as cianobactérias, bactérias que produzem fotossíntese, quanto no caso da Amazônia, onde o balanço de oxigênio é quase neutro.

Duarte explica que a fotossíntese produz o oxigênio, mas que toda a cadeia trófica e os micro-organismos a consomem, de forma que o balanço é de quase zero. Assim, podemos perceber que as grandes quantidades de oxigênio geradas nos oceanos e nas florestas são consumidas pelos mesmos organismos que as geram.

Dessa forma, de onde vem o oxigênio que respiramos? O biólogo espanhol afirma que o oxigênio que está presente na atmosfera vem do evento da “Grande Oxigenação”. Trata-se de um processo que ocorreu há cerca de 2,4 bilhões de anos, pela proliferação de bilhões de cianobactérias. Muito tempo depois, há aproximadamente 600 milhões de anos, o processo passou por outra fase, culminando com a configuração atmosférica que conhecemos.

Uma curiosidade é que, de acordo com o Duarte, caso todos os combustíveis fósseis da Terra fossem queimados, a massa de oxigênio não diminuiria nem 3%. Além disso, ele destaca que a reserva na atmosfera é tão grande, que, se não existisse mais fotossíntese, impossibilitando, assim, nova produção de oxigênio na biosfera, poderíamos continuar respirando durante três mil anos.

Por João Baptista Favero Marques

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários