Por que jogar fora roupas em condições de uso com tanta gente necessitada

Na manhã da última sexta-feira(17), uma moradora de Alegrete se deparou com uma cena inesperada e triste enquanto se dirigia ao trabalho.

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v62), quality = 82

Durante seu trajeto a pé pela Rua Maurício Cardoso, ela observou inúmeras peças de roupas em boas condições de uso jogadas no lixo. Em entrevista ao Portal Alegrete Tudo, a moradora, que preferiu não se identificar, expressou sua consternação com a situação.

Ela relatou que as roupas estavam visivelmente em boas condições e que poderiam ser reutilizadas por outras famílias necessitadas. “Muitas famílias não têm isso”, disse, enfatizando a necessidade e a falta que muitos enfrentam. Sem um saco ou algum meio de recolher as roupas, ela lamentou não poder fazer mais naquele momento.

Alegretense, portador de erisipela, não tem cobertura do SUS para custear o tratamento

Esse episódio ocorre em um contexto de recentes campanhas de arrecadação no Rio Grande do Sul, organizadas para auxiliar os desabrigados de Alegrete após uma enchente e outras comunidades afetadas na região metropolitana, Porto Alegre e Vale do Taquari. Diversas iniciativas foram realizadas para coletar doações e prestar assistência às famílias desabrigadas, demonstrando um forte espírito de solidariedade entre os cidadãos.

O cenário observado pela moradora chama atenção para um aspecto preocupante da cultura contemporânea: o consumismo exacerbado e o descarte irresponsável de bens ainda utilizáveis. Em uma sociedade onde o ato de consumo é frequentemente visto como uma forma de alcançar a felicidade, o descarte rápido e desnecessário de itens ainda em bom estado levanta questões sobre a sustentabilidade e o desperdício.

A cena descrita pela moradora de Alegrete ilustra uma contradição: ao mesmo tempo em que há um grande esforço comunitário para ajudar os necessitados, há também um comportamento individual de descarte que não condiz com essa solidariedade. A conscientização sobre a importância de doar roupas e outros itens em boas condições, em vez de jogá-los fora, é crucial para fomentar uma cultura de reaproveitamento e sustentabilidade.

Brigada Militar captura foragido do sistema prisional em Bairro Novo Lar

Em resumo, a cena observada na Rua Maurício Cardoso é um lembrete das contradições presentes em uma sociedade consumista. O esforço coletivo para ajudar os desabrigados do Rio Grande do Sul é louvável, mas deve ser acompanhado por uma mudança individual nas práticas de consumo e descarte. Somente assim será possível construir uma sociedade mais sustentável e solidária, onde os recursos são valorizados e aproveitados ao máximo.

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários