Procon Alegrete autua 3 bancos da cidade 

A demora no atendimento causou irritação dos consumidores que aguardaram mais de 60 minutos para serem atendidos

bancos4

Na manhã da última segunda-feira (29), véspera da greve dos bancos, chegaram ao Procon, diversas denúncias e reclamações de clientes insatisfeitos com a demora no atendimento das agências dos Bancos, Santander, Sicredi e Banco do Brasil. O Procon de Alegrete autuou as 3 agências.
bancos4
Segundo Luiz Antônio Rogoski, diretor Executivo do Procon, as agências não estão observando a lei municipal que tolera o máximo de 20 minutos para os clientes serem atendidos. Nessa segunda-feira (30), houve casos de pessoas que permaneceram mais de 60 minutos para receberem atendimento.
Conforme Rogoski, as agências que não respeitam a chamada “lei das filas”, recebem um auto de infração que será transformado em multas que poderão chegar até três (3) milhões de reais por descumprimento da lei.
bancos2
A ação do Procon está amparada pelo código de defesa do consumidor e pelo ato normativo nº 4 da FEBRABAN e lei Municipal nº 5.222 de 26 de novembro de 2013, que estabelece obrigações acerca do tempo de atendimento dos usuários de agências bancárias e cooperativas de crédito de até 20 minutos em dias normais e de até 35 minutos em véspera de feriados ou após feriados prolongados, e em dias de pagamentos de funcionários públicos municipais, estaduais e federais, bem como dias de pagamento de programas sociais do governo e em dia de pagamentos de aposentados e pensionistas. As agências chegaram a extrapolar em mais de 100 %  do tempo legal permitido. O Procon ouviu relatos de pessoas que dizem ter ficado mais de duas horas na fila.
bancos
Rogoski destaca que há reincidência dos bancos, pois neste ano já foram autuadas pelo mesmo motivo, a excessiva demora no atendimento. O Código de Defesa do Consumidor prevê multa aos bancos que não oferecerem bom atendimento, que vai de R$ 212 a R$ 3,193 milhões. O valor é estipulado de acordo com o patrimônio da instituição e o grau de prejuízo ao consumidor.

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *