Queimadas: Câmara de vereadores formaliza documento aos governos Estadual e Federal

Na segunda reunião da Frente Parlamentar da Agropecuária, realizada na manhã de segunda-feira(24), no plenário Gaspar  Cardoso Paines, para ampliar  temas relacionados à situação que o Município e a região enfrentam devido à estiagem, agravada com a recente onda de incêndios, foi decidida a elaboração de um documento bem fundamentado contendo as principais  demandas  do setor produtivo.

 

Relatos expõem situação preocupante
 

Na abertura da reunião, o deputado federal Afonso Motta disse da perplexidade   pelas queimadas que atingem a atividade produtiva. Defendeu planejamento com solidez para enfrentar situações como esta,  e que uma mobilização bem planejada produz resultados, afiançou.

O senador Luiz Carlos Heinze, em sua participação on line, lembrou que o arroz foi também bastante afetado e haverá problemas muito sérios para o ano que vem. Defendeu a elaboração de um documento  único com as principais demandas do setor produtivo para gestionar junto aos governos estadual e federal. Que os órgãos técnicos prestem assistência aos produtores. Façam propostas concretas do que a pecuária  e os produtores dizimados pelas queimadas precisam para que possam ser  levadas, via Fetag e Farsul, ao Governo Federal, orientou o senador.

O prefeito de Manoel Viana, Gustavo Medeiros, falou dos prejuízos diretos ao produtor num município em que 80 por cento de sua atividade é o setor primário. Prejuízos que atingem os demais setores como o comércio, transporte e recai em mais  desemprego. Defendeu uma atitude emergencial dos governos estadual e federal diante da dura realidade no município. “Nos assentamentos, há famílias passando fome, não vão produzir nada e precisam de ajuda. Uma renegociação de dívidas aos pequenos produtores  deverá ter suporte direto”, afirmou.

Em Manoel Viana, disse o prefeito, três máquinas da Prefeitura estão abrindo  pequenos açudes e bebedouros   no sentido de minimizar a situação da pecuária, pois falta água para os animais. Caminhões  transportam água para atender as comunidades com o produto  para consumo humano.


 
Grupos de Ações Coordenadas e Plano de Contingência


 
        
Os convidados especiais para a reunião  da Frente, por serem de outros estados, participaram on-line. Márcio Curvello, do Rio de Janeiro, especialista em Defesa Civil,  defendeu construir medidas preventivas , preparar-se para o futuro com suportes mais eficazes, de forma organizada e coordenada. É um trabalho que tem de ser de maneira contínua no município, defendendo a implantação de um colegiado  da Defesa Civil. Abordou sobre o plano de contingência, para levantar os próximos e prováveis  impactos, elencando os recursos a desenvolver, com estratégias de ação. Defendeu a formação de um grupo de ações coordenadas e plano de atendimento de emergência.

Alegretense infectado três vezes pela Covid fala de fé e como enfrentou a doença

Já o coordenador da Defesa Civil de Barra Velha(SC), Elton Cunha,  reportou-se  sobre o trabalho da Defesa Civil e as ações a serem desenvolvidas   quando dos impactos causados por estiagem e incêndios. Durante  sua exposição, houve uma queda de energia  que prejudiquem parte  as explanações  do convidado.


 
Deputado Frederico: microaçudes e mais Bombeiros


 
 
Em sua participação on-line, o deputado Frederico Antunes relatou sobre a abrangência do programa Avançar Irrigação, do Governo do Estado que prevê abertura de poços pra água potável às comunidades sem essas condições, bem como recursos que estão à disposição  para  abertura de microaçudes. Há formulários que podem ser preenchidos esta semana para a abertura de microaçudes.

No tocante as ações de pronto atendimento dos Bombeiros, confirmou o parlamentar a vinda de mais 10 homens para o comando regional e três novas viaturas com mais condições de operacionalidade. Por fim,, informou quer provavelmente até quinta-feira, o decreto de emergência de Alegrete seja homologado.

Acredite, neste fusca, casal percorreu parte da América
 
Faltam  condições para melhor operacionalidade


 
 
O diretor da Itagro Aviação Agrícola, Marcos Camargo, participou presencialmente  da reunião, relatou sobre ações que há tempo  vem defendendo como contingenciamento de recursos em casos de incêndios, até agora sem retorno de parte do poder público. Quanto  a um manifesto assinado em 2010, sobre a realidade de algumas pistas  que apresentam dificuldades para operação de aeronaves maiores e, naturalmente, com capacidade de carga e velocidade também maiores, mas essas ações    que não avançaram, lamentou.

E essa demora em acionar uma aeronave na hora de conter um incêndio  acarreta sérios problemas. O que é preciso, durante uma operação de combate ao fogo,  é agilidade em termos de estrutura para chegar a água onde se precisa, completou o empresário.

O diretor da Farsul, Luiz Fernando Carvalheiro Pires , falou sobre renegociação e parcelamento de débitos para mitigar os efeitos  da estiagem e incêndios.

Em nome do Sindicato Rural, Henrique Dornelles  defendeu a elaboração de documento  oficial que tenha a abrangência dos produtores como um todo. O Sindicato é parceiro, afirmou.

A vereadora Dileusa Alves parabenizou pela mobilização e disse que é a partir da união dessas entidades e instituições que algo deve acontecer. A situação é preocupante e disse a vereadora acreditar  que desses encontros vai surgir algo  para  a cidade que pede socorro.

Ao final, o ex-coordenador adjunto da Defesa Civil na região, Adão Roberto Rodrigues, elogiou o trabalho da Câmara, afirmando que é a primeira vez que o Legislativo se manifesta e lidera para evitar prejuízos. Disse que a sociedade pode criar grupos de ações. Que cada entidade pode ter seu  plano de contingência e, por conseguinte, todos se uniriam num maior. Defendeu mais investimentos na Defesa Civil.


O coordenador da Defesa Civil, Joaquim Segabinazi, disse da situação complicada quer o município enfrenta, a  estiagem traz sofrimento e a preocupação é muito grande. A homologação do decreto é necessária o mais rápido possível. Reportou-se sobre a visita do prefeito às localidades atingidas, onde se constatou muitas perdas. A Defesa Civil está atendendo as comunidades que precisam no interior de  água potável, informou o coordenador Segabinazi.


 
 
Conselho Agropecuário vai Encaminhar Documento


 
No encerramento, o presidente da Frente Parlamentar, vereador Itamar Rodriguez, reforçou a ideia  dos grupos de coordenação estratégica para enfrentar  situações como as que o município e região enfrentam. Propôs   às entidades  que elaborem uma minuta  de documento encaminhando as principais demandas do Município elencadas por todas as entidades que participaram . Um segundo momento, o compromisso da Frente  Parlamentar é de buscar,  de forma legal, com o Executivo,  a maneira de constituir  esse grupo de ação estratégica. Por sugestão da Associação dos Arrozeiros, caberá ao Conselho Municipal Agropecuário liderar as demais entidades (sindicatos, associações e cooperativas) através de um pensamento em conjunto e único.

Conduzida pelo presidente  vereador Itamar Rodriguez,  a reunião  da Frente Parlamentar teve  a participação de representantes  de entidades ligadas ao agro, Exército, sindicatos, assim como  lideranças políticas de expressão como o senador Luiz Carlos Heinze, deputados Afonso Motta e Frederico Antunes que participaram via on-line.

Também foi enriquecida com a participação esclarecedora, (on-line), de Márcio Curvello, docente em Defesa Civil em São João do Meriti (RJ) e Elton Cunha, coordenador da Defesa Civil de Barra Velha (SC).

Houve a participação do prefeito de Manoel Viana, Gustavo Medeiros; do representante da Farsul, Luiz Fernando Cavalheiro Pires; Thais Pires, do Conselho Municipal Agropecuário; Marcos Camargo, da Itagro Aviação Agrícola; Jesus Alzir Fernandes, Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Leonardo Cera, da Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul; Alexandre Machado, representando o deputado federal Sanderson; Henrique Dornelles, pela direção do Sindicato Rural de Alegrete; Fátima Marchezan, presidente da Associação dos Arrozeiros de Alegrete;  Adão Roberto Rodrigues, ex-coordenador regional adjunto da Defesa Civil; vereadora Dileusa Alves, que integra a Frente Parlamentar; vereadores Luciano Belmonte e João Leivas; político progressista  Lúcio do Prado e Joaquim Segabinazi, este último coordenador da Defesa Civil do Município; Norton Ferreira, representando o deputado Afonso Hann; Bruna Jacques, da Fepam Regional e  Major Evanir, do 10 Batalhão Logístico.

Embora a participação da Defesa Civil do Município, foi lamentada a falta da presença do Executivo Municipal, especialmente  do primeiro escalão.
 

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários