Setembro Azul: o longo caminho para inclusão da comunidade surda

A tradutora pede que não somente no mês de setembro, mas em todos os outros meses do ano, façamos uma reflexão e que tenhamos ações efetivas, por parte de todos, em busca de acessibilidade e inclusão.

Comunidade Surda em Alegrete
Comunidade Surda em Alegrete

Setembro é o mês da visibilidade da Comunidade Surda Brasileira, conhecido como Setembro Azul, o mês é marcado por diversos eventos voltados para a conscientização sobre a acessibilidade e a comemoração das conquistas obtidas pela comunidade surda ao longo dos anos.


Por que Setembro? A escolha do mês de setembro para esse movimento não foi feita por acaso. O mês tem datas importantes para a comunidade surda, sejam elas lembranças das perdas do passado ou celebrações das conquistas.
Dias 6 e 11, lembram o Congresso de Milão de 1880, no qual foi proibido o uso das Línguas de Sinais na educação dos surdos. Esse marco fez com que os surdos tivessem que se adaptar às línguas orais até que as línguas de sinais fossem novamente aceitas.

Levantamento mapeia riscos de acidentes e aponta as ruas mais perigosas no trânsito local


Dia 23, é o Dia Internacional das Línguas de Sinais. No Brasil, a data estimula a discussão da falta de acessibilidade em Libras tanto nos ambientes físicos quanto nos ambientes virtuais.


Já no dia 26, é comemorado o Dia Nacional do Surdo. O dia foi escolhido por ser a data de fundação do INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos), a primeira escola para surdos do Brasil.


Dia 30, celebra o Dia do Tradutor, no qual são feitas várias homenagens aos Intérpretes de Libras. Em Alegrete, Josie dos Santos Pillar, comenta que são dias de luta e dias de glória.

Josie, tradutora e atuante na inclusão em Alegrete
Josie, tradutora e atuante na inclusão em Alegrete

“Eu como docente, tradutora e intérprete de Libras sei que a comunidade surda já obteve muitas conquistas através de uma luta árdua, mas sabemos também que muito ainda precisa ser feito e que precisamos da ajuda da comunidade, dos gestores públicos e de todos os envolvidos atuantes e participantes da sociedade para que façamos realmente acontecer o que está previsto na Lei, como é o caso da presença do profissional Tradutor/ intérprete de Libras nos órgãos públicos e demais locais da sociedade, para que o surdo possa ter seu direito de acessibilidade comunicacional garantida de fato e de direito”. destaca.


Fotos: arquivo PAT

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários