Temperaturas sobem ao longo da semana e não há previsão de chuva para os próximos dias
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Nos últimos sete dias, a passagem de frentes frias e áreas de baixa pressão atmosférica organizaram a umidade da Amazônia sobre o Sul do Brasil, trazendo pancadas de chuva com trovoadas e eventual granizo e ventania.

As chuvas têm acontecido com intensidade, de modo mal distribuído no Estado gaúcho e, de modo geral, em meio a tardes quentes. Neste período, a chuva acumulou mais de 50mm na região Central, entre 70 e 80mm nas Planícies e no Oeste e mais de 100mm em pontos da Campanha.

Em Alegrete, a semana iniciou com previsão de chuva isolada e temperatura de 16ºC, e o dia que termina com poucas nuvens terá máxima na casa dos 30ºC.

Para terça-feira (19), a umidade relativa do ar chega a 90%, e a temperatura mínima será de 18ºC, alcançando os 32ºC. Já na quarta-feira (20), a máxima sobe um grau em relação ao do dia anterior. A mínima será idêntica a terça-feira.

Na quinta-feira (21), a temperatura mínima será de 20ºC e a máxima 31. A umidade do ar permanece em 90%. A sexta-feira (22), traz mais calor,  o dia amanhece com 22 e a máxima não passa dos 30ºC, não previsão de chuva durante a semana, conforme dados apresentados pelo INMET para cidade de Alegrete.

Os níveis de umidade do solo no momento se encontram acima dos 80% na maior parte das áreas gaúchas, com índices mais baixos entre as Planícies Costeiras Interna e Externa.

A chuva se concentra em municípios do Norte gaúcho ao longo da semana, mas a maior parte do Rio Grande do Sul terá uma semana com tempo aberto, firme, ensolarado e com temperaturas bastante elevadas.

Essa condição deve diminuir a umidade do solo em cerca de 10%. Apenas no próximo fim de semana é que áreas de instabilidade vão voltar a percorrer mais áreas do RS e a chuva retorna forte, com trovoadas, eventual granizo e ventania.

A tendência até o final do mês de janeiro é de chuvas frequentes no Sul do País, que concentram volumes pontualmente acima do normal, por causa da ação de um bloqueio atmosférico no Oceano Pacífico e que mantém o corredor de umidade nesta área, além da água mais quente do que o normal na costa da Região Sul.

Júlio Cesar Santos                                             Fonte: IRGA                 Foto:


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •