Usuários são orientados a renovar campas por falta de ossuário no Cemitério de Alegrete

O vereador João Monteiro (PP) fiscalizou, após relatos de alegretenses, a situação das campas e ossuários no Cemitério Municipal.

Depois de cinco anos sepultados em uma campa, a família deve retirar os restos mortais e providenciar a colocação em um ossuário.

As aventuras de um alegretense na Travessia dos Lagos Andinos

No entanto, as pessoas têm sido orientadas pelo gestor do cemitério, segundo o vereador, a fazer a renovação da campa por mais um ano, devido à falta de ossuários. É uma situação difícil: ou a pessoa, depois dos cinco anos, renova a campa ou retira os ossos e os coloca naquela casinha ao lado da Capela. Daí a cena é essa, relata Monteiro: sacos ou caixas de papelão com restos mortais ao lado da Capela do Cemitério.

Dentre as opções, cita o vereador, a menos pior seria a renovação para manter na campa e pagar o valor cobrado, neste caso, de R$ 287,39, enquanto o valor para transferência é R$ 114,96.

Arrombador que foi impedido de entrar em residência agride proprietária com golpe de madeira

Eles dizem que antes tínhamos a situação das pessoas que não iam resolver as transferências dos restos mortais de seus familiares. O vereador propôs uma lei para que as pessoas de baixa renda do município não precisem pagar essa renovação e aguarda posição judicial. “Agora a situação é ainda pior, não tem mais lugar para sepultamento, tendo dinheiro para pagar ou não”, atesta. “Entendo que a cobrança da renovação é inadequada, porque não depende da vontade das pessoas a impossibilidade de transferência, e assim a renovação só se dá porque não há vaga em ossuário.

Na pior hipótese, entende que se o valor da renovação for pago, esse deve ser abatido quando da transferência e ‘compra’ do ossuário.” O vereador procurou a Secretaria de Infraestrutura e de Finanças tentando uma solução dessa e outras pendências do Cemitério Municipal. Ele solicita que as pessoas que estejam com problemas procurem a Secretaria de Finanças – setor de tributos, com o servidor específico sobre essas taxas. João Monteiro alerta que, de maneira alguma, realizem qualquer pagamento de outro modo que não a guia que a Secretaria de Finanças fornece. “No serviço público não existe pagamento em ‘dinheiro vivo’, não tem acontecido mas já aconteceu de queixas de cobranças de ‘taxas’ extras”, salienta.

Juiz condena homem que agrediu cunhado com golpes de facão no rosto e na cabeça

Carlos Romeiro, que administra o Cemitério de Alegrete, diz que está prevista a construção de mais 140 ossuários. Ele lembra que as pessoas devem ficar atentas para, quando chegarem os 5 anos, retirarem os restos mortais das campas.

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários