Conheça a equipe do CTG Farroupilha que vai participar do Desafio em homenagem aos profissionais da saúde

Compartilhe
  • 416
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    416
    Shares

Em sua sétima edição, o especial com cinco episódios faz uma homenagem aos profissionais da saúde. O Desafio Farroupilha é um reality de danças tradicionais gaúchas da RBS TV, que vai ao ar no Jornal do Almoço, com apresentação da dupla César Oliveira & Rogério Melo. Após dois meses de pesquisas e ensaios, a sétima temporada do reality tem homenagem aos profissionais da saúde que lutam contra a pandemia, apresentam neste sábado(30), a dança virtual.

Os participantes vão contar a história desses trabalhadores na forma de uma coreografia. Cada dançarino ensaiou de sua casa e todos foram inseridos em um ambiente virtual, montado através de computação gráfica.  Para se inspirar, os coordenadores do projeto entrevistaram profissionais de saúde através de chamadas de vídeo. Em Alegrete, o contato foi a Santa Casa de Alegrete.

A dança apresentada será para retratar a rotina dos profissionais da área da saúde e homenageá-los pelo trabalho em meio à pandemia do coronavírus.

Os participantes desta edição são o CFTG Farroupilha de Alegrete, DTG Tropeiros do Ouro Negro de Canoas, Tiaraju de Porto Alegre e Rancho da Saudade de Santo Cristo. O “Desafio Farroupilha” irá ao ar na grande final, no dia 1º de agosto. As gravações do desafio respeitam o distanciamento social.

Conheça a história dos dançarinos, alegretenses, da Invernada Juvenil do CTG Farroupilha que participaram desta edição do reality. No Município, o coordenador é o radialista Giovane Moraes. A patroa do CTG é Caroline Figueiredo.

Maíza da Rosa Pereira disse que  iniciou no CTG Farroupilha em 2018. Ela sempre foi apaixonada pela dança e tinha o sonho de participar do Juvenart, então naquele mesmo ano a invernada sagrou-se campeã.

“Participamos de vários outros concursos até estourar minha idade na Juvenil e montarmos um grupo Adulto, que até então participou de vários concursos de dança, inclusive do Enart. Logo no início do ano começou a quarentena devido ao novo coronavírus, eu não imaginava a dimensão que teria até agora e quantas vidas iriam ser perdidas. Como a vida de diversas pessoas iria mudar dessa forma, principalmente a dos profissionais de saúde que estão na linha de frente dessa pandemia, enfrentando todos os dias esse vírus e correndo o risco diariamente de serem contaminados, além de não terem contato com as suas famílias”- destacou. Tais ressalva que sente-se muito honrada em poder homenagear essas pessoas que estão dando mais confiança para as famílias e os próprios pacientes, tornando essa pandemia mais “humana”.

Já, Tais Silveira, comentou que sua trajetória no CTG Farroupilha começou em 2019 e a dança sempre foi uma paixão. “Para mim, foi uma surpresa quando recebi o convite, principalmente por conta de tudo que está acontecendo no mundo. Nunca me passou na cabeça o quão perto eu poderia chegar para demonstrar todo reconhecimento e gratidão pelo trabalho desses profissionais que estão sendo tão essenciais para nós neste momento de pandemia” – citou.

Tirando a surpresa, depois de saber o tema e o convite, ela ficou muito feliz, ainda mais que por conta da COVID-19, as atividades no CTG estão paradas desde março e ela sempre foi acostumada com a rotina de ensaios e muita correria.

“Do nada, isso tudo acabou, então na primeira oportunidade que eu tive de poder voltar a fazer o que eu mais amo, a vontade de dançar veio na hora. Fiquei ainda mais feliz. Me sinto muito grata por ter tido essa oportunidade de agradecer pelo trabalho e pela dedicação dos profissionais da saúde fazendo o que eu mais amo” completou.

Na sequência, o dançarino, Matheus Teixeira contou que começou a dançar no Farroupilha em 2018, mesmo ano que a invernada sagrou-se campeão do Juvenart. “Eu sempre queria e sonhava em participar de um concurso estadual que nem o juvenart que tem uma magnitude muito grande, e foi um sonho que realizei ao dançar e ainda mais conseguir ser campeão, também fui convidado para dançar no grupo adulto em 2018 para participar no ENART. Neste ano, fiquei muito feliz com o convite para participar do Desafio Farroupilha, ainda mais por ser uma edição muito especial e bem desafiante, dançar individualmente e tudo por computador. Fico feliz em poder fazer parte dessa enorme homenagem que estamos fazendo aos profissionais da saúde, porque eles merecem muito por estarem batalhando na linha de frente contra essa pandemia”- disse Matheus.

Ele lembrou ainda que muitos profissionais estão sofrendo bastante com a distância das famílias e amigos. É um grande satisfação para ele homenageá-los fazendo o que mais gosta.

“Iniciei na Juvenil do Farroupilha em 2013, onde consecutivamente me tornei posteiro da mesma. Minha trajetória na dança começou quando eu tinha 3 anos e, em todo esse período, a gente sempre falou (com movimentos) a história de algo ou alguém, homenageando um fato ocorrido” -disse o dançarino Miguel Ravalha.

Ao receber o convite para participar do Desafio Farroupilha 2020, para ele foi uma honra, pois foi algo diferente de tudo que os dançarinos já interpretaram, onde a homenagem é sobre algo que está acontecendo.” É uma tremenda honra poder homenagear pessoas que salvam vidas, que têm nas mãos esta responsabilidade. E, como todos os outros grupos, fica nossa homenagem aos profissionais guerreiros que procuram e travam a todo dia uma luta com este vírus” concluiu Miguel.

Quetlen da Mota ao falar da sua trajetória no CTG Farroupilha, comentou que iniciou quando tinha 4 anos. Ela falou que, a partir desta idade, aprendeu muito e também teve muitas realizações. “Tenho um grande afeto e paixão pela dança. Tive várias conquistas entre rodeios, também juvENART e Enart, assim como, o Desafio Farroupilha no ano de 2017” – comentou.

Um dos integrantes, Felipe Braga Nunes, é militar do Exército e não foi possível realizar contato com o mesmo.

Neste período iniciou sua trajetória como juvenil até o momento atual. Com o convite para o Desafio deste ano, ela ressalta que ficou muito grata pois não esperava, um grande desafio diante da situação atual em relação à Covid-19.

“Essa homenagem para essas pessoas que estão na linha de frente se tornou muito gratificante. Acostumada a ensaiar com o grupo, ensaiar sozinha serviu como um grande aprendizado, também. É uma grande honra homenagear essas pessoas que hoje e sempre são tão importantes”- finalizou.

O Desafio Farroupilha foi ao ar ao meio dia deste sábado, no J.A. A história das irmãs Pâmela e Priscila também será contada em uma reportagem da RBS TV, que será exibida pelo Fantástico.

 

 


Compartilhe
  • 416
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    416
    Shares