Helicóptero sobrevoa Alegrete para inspeção aérea
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A CEEE Geração e Transmissão iniciou em 19 de outubro, a inspeção aérea que sobrevoa as linhas de transmissão da Companhia em todo o estado do RS.

Em Alegrete, a atividade começou no último dia 22. O trabalho é uma das principais atividades de diagnóstico e manutenção preventiva.

A atividade acontece simultaneamente com dois helicópteros. A primeira iniciou os trabalhos na região Metropolitana e Centro do estado, e a segunda, partiu da região Sul, em Pelotas, e vai sobrevoar as linhas das regiões Oeste e Norte do Estado.

Segue campanha do novo tomógrafo para Santa Casa

Na quinta (22), a aeronave fez um sobrevoo. A expectativa é retornar às atividades nesta terça. Foto: PAT

A segunda aeronave chegou no Alegrete na quinta, e já fez o primeiro voo no município. Porém o trabalho foi interrompido devido as condições climáticas. Conforme a assessoria da empresa, o trabalho deve reiniciar na terça-feira (27), caso as condições climáticas sejam favoráveis.

Saiba que atividades desapareceram das vagas do SINE durante a pandemia

A inspeção aérea é fundamental para identificação de possíveis defeitos, baseia o planejamento de ações da engenharia e propicia ação mais rápida e efetiva das equipes de manutenção, resultando em melhoria da integridade e disponibilidade do sistema elétrico, explicam os técnicos.

PRF prende homem em atitude suspeita; ele estava armado com faca e revólver

Além da verificação visual e com aparelhos que fazem leitura térmica (termovisor) das condições das linhas e estruturas (torres), os técnicos da CEEE-GT monitoram possíveis áreas com construções e ocupações irregulares nas faixas de segurança próximo às linhas.

Trabalho este que tem o objetivo de preservar a vida das pessoas e a integridade das estruturas que levam energia a todo o Estado. A ação acontece duas vezes ao ano: na etapa realizada no segundo semestre, abrange todo o estado, e, na etapa complementar, no primeiro semestre, as regiões Metropolitana e Serra.

Os pilotos seguem um rígido protocolo de segurança para voarem próximos à rede e, normalmente, são acompanhados por dois técnicos da CEEE. A expectativa é de que os trabalhos levem de três a quatro semanas, pois o início das atividades atrasou devido as condições climáticas e visuais.

Júlio Cesar Santos                                       Fonte e Fotos: Assessoria de Comunicação CEEE


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •