fbpx
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Investigado por abuso sexual de duas crianças, homem foi detido em flagrante após imagens pornográficas envolvendo vítimas serem encontradas durante buscas em seu apartamento

A Polícia Civil prendeu em flagrante no bairro Praia de Belas, em Porto Alegre, na manhã desta sexta-feira (4), um advogado e professor universitário suspeito de produzir e armazenar pornografia infantil. A prisão ocorreu durante cumprimento de mandado de busca e apreensão em inquérito em que o homem é investigado por suspeita de estupro de crianças. O nome do preso não foi divulgado para não expor as vítimas.

A delegada Sabrina Teixeira, da Delegacia de Polícia para a Criança e o Adolescente Vítimas de Delitos, diz que o advogado tem 27 anos e reside há cinco anos na Capital. Segundo ela, ele é suspeito do abuso sexual de duas crianças — que eram vizinhos dele em um endereço anterior — de nove e 10 anos de idade.

Os abusos teriam ocorrido em um bairro da zona central da cidade, onde o investigado residia na época. O Instituto Geral de Perícias (IGP), com acompanhamento de psicólogos, confirmou os estupros. Inclusive, peritos acompanharam as buscas nesta sexta-feira.

Com essa informação, Sabrina obteve uma ordem judicial de busca e, na manhã desta sexta-feira, foi com uma equipe até o novo endereço do advogado. No local, foram apreendidos pen drives, notebook, celulares, HD e máquina fotográfica.

A delegada diz que o preso vai responder por estupro de vulnerável e também por produzir imagens pornográficas durante a violência sexual contra as vítimas.

— Além de armazenar, ele mesmo produzia o material pornográfico enquanto praticava os abusos e aproveitamos para alertar que desconfiem sempre. Ele conquistou a confiança de uma família e convidava as vítimas para frequentar o apartamento dele — explica Sabrina.

O próximo trabalho da polícia e da perícia será analisar o material apreendido e identificar outras vítimas. Dependendo do caso, o crime de produção de pornografia infantil prevê uma pena de quatro a oito anos de prisão, e estupro de vulnerável, de oito a 15 anos.

Equipamentos foram apreendidos durante cumprimento de mandado de busca no apartamento do suspeito — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Equipamentos foram apreendidos durante cumprimento de mandado de busca no apartamento do suspeito — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Fonte: Gaúcha/ZH


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •