Crudivorismo: a dieta que prioriza os alimentos na sua forma crua e mais natural possível

A dieta crudívora, também conhecida como dieta viva, existe há milênios e é adotada por algumas etnias indígenas, por algumas religiões e, também, é estilo de vida de indivíduos que buscam uma alimentação mais natural e sustentável. No ocidente, ganhou fama a partir dos anos 90.

Crudivorismo
Crudivorismo

Uma pessoa crudívora não vai utilizar fogão ou forno no preparo dos seus alimentos. Os alimentos até podem ser aquecidos, mas não devem passar dos 45°C-50°C. É importante salientar que os crudívoros excluem qualquer tipo de alimento de origem animal (carnes, peixes, laticínios). Além disso, não fazem parte da sua dieta: massas, farinha, açúcar, refrigerantes, álcool, e sal refinado.

Sua dieta com restrição de carnes e com apenas “alimentos crus” não causa déficit de vitaminas e minerais, como muita gente pensa. Claro que, como em qualquer tipo de alimentação, é sempre bom ter uma orientação de um especialista para que ele possa montar um cardápio que abranja todas as vitaminas e nutrientes necessários para o funcionamento do corpo. Quanto às proteínas, apesar da restrição em relação ao consumo de carnes, os crudívoros podem ingerir ótimas doses desses nutrientes com folhas verdes, legumes, abacates e sementes. O espinafre, inclusive, possui uma quantidade de proteínas maior do que a carne vermelha.

É comprovada que a dieta do crudivorismo pode trazer benefícios para o organismo. Por exemplo, em relação à desintoxicação do corpo. Como não há cozimento, os alimentos não perdem as suas enzimas. Elas estão presentes em cada comida que consumimos e, por não passarem pelo processo de cozimento, continuam intactas. Dessa forma, como fazem a ponte entre os nutrientes e o organismo, conseguem facilitar a absorção de substâncias boas, ajudando a desintoxicar o corpo.

No entanto, apesar dessa dieta trazer mais nutrientes ao prato, é importante se atentar a algumas questões. Como, por exemplo, no que se refere a boas práticas de preparação, seleção, higienização, manipulação e armazenamento dos alimentos. Também, é preciso cuidar para não abusar dos processos de germinação e fermentação nos grãos e leguminosas, a fim de potencializar ainda mais a quantidade de nutrientes.

Diabéticos que querem começar a dieta do crudivorismo precisam ficar atentos quanto ao índice glicêmico elevado de certos vegetais, como aponta a endocronologista Maria Edna de Melo, jurada do Ranking das Dietas 2020 e diretora do departamento de obesidade da SBEM. Inclusive, no Ranking das Dietas do VivaBem, o crudivorismo ficou em 15° lugar entre as 26 avaliadas.

            Na sequência, mostramos alguns alimentos que não podem faltar na mesa das pessoas adeptas da dieta crudívora.

Vegetais – Alface, espinafre, pepinos, salsão, salsa, cebola, tomate e pimentões.

Oleaginosas – Nozes, Amêndoas, castanha do pará, macadâmia, semente de abóbora, girassol, linhaça e chia.

Grãos e leguminosas – trigo sarraceno, quinoa, aveia, lentilha, grão de bico.

Frutas – limão, laranjas, bananas, abacates e maçãs.

Óleos – azeite de oliva, óleo de linhaça, óleo de gergelim não torrado e óleo de coco extra virgem.

João Baptista Favero Marques

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários