Esta foi a semana com mais mortes e infectados desde o inicio da pandemia em Alegrete
Compartilhe
  • 1.4K
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1.4K
    Shares

Com leitos UTI  lotados, Alegrete transferiu mais um paciente. Desta vez, para Santa Maria. A paciente, segundo  Boletim Epidemiológico estava no hospital de Campanha. Em uma entrevista ao PAT, a responsável pela UTI Covid-19, Dra Simone Estivalet ressaltou que são oito leitos na UTI e dois para emergências.

Campanha pede cuidado com lixo de positivados para Covid, em isolamento, para preservar garis

Em uma semana com uma alta assustadora no número dos óbitos, Alegrete registro seis mortes em decorrência da Covid-19 em sete dias. o primeiro registro foi no sábado 5, quando havia 595 pacientes ativos, cinco hospitalizados e 105 aguardando. Neste dia, o Município chegou ao 23° óbito. Já na segunda-feira(7), foram três mortes em um único dia com 610 casos ativos e 4 pacientes hospitalizados. Na quarta-feira(9), embora não tenha ocorrido óbito, o número de casos positivos batia um novo recorde e registrava 59 pacientes e na quinta-feira, além, do aumento dos casos positivos, 53, mais uma morte foi contabilizada e o Município chegou a 27.

“Cabelo”, o caminhoneiro que amava a estrada não resistiu a um atropelamento

Com esse quadro, a situação já demonstrava que os números apontavam uma preocupação maior para a população no dia em que o Governo do Estado anunciou a cor da bandeira, a Região 03 ficou na vermelha e consequentemente, Alegrete. Mas os dados são alarmantes e a Secretaria de Saúde confirma o 28 óbitos para o Município, em um momento em que pela primeira vez, devido a alta de mortes e internações em decorrência do vírus, o Estado usa o alerta máximo e coloca duas Regiões na bandeira Preta. Na sexta(11), o Rio Grande do Sul registrou, 61 mortes e 5.308 novos casos de coronavírus, conforme boletim da Secretaria Estadual de Saúde.

Durante a semana em entrevista para rádio Minuano(Rota 97), o Prefeito Márcio Amaral foi muito claro em demonstrar que não são apenas as medidas do Governo ou do Executivo, é preciso que cada um faça sua parte. “Depois de 10 meses todos têm ideia da gravidade do problema e sabem o que pode e o que não pode, diante disto, vai na consciência de cada um. Estamos quem sabe pensando em adotar algumas medidas que as pessoas tenham a liberdade de frequentar algumas determinadas atividades e locais, mas precisam ter o entendimento de que, pode ocorrer uma falta de leito e quem sabe assinam um documento abrindo mão deste atendimento para àquelas que estão fazendo o correto”- comentou.

O Prefeito falou o quanto é cansativo e desgastante pra todos, pois o momento é de exceção. Além de citar que muitos consideram que a fiscalização é abusiva, entre outros questionamentos. Márcio destacou o quanto todas as equipes(saúde e fiscalização) estão cansadas, que não está sendo fácil pra todos. E frisou mais uma vez, que o uso da máscara é obrigatório e o valor da multa é de de uma URMA, de acordo com a situação e o local.

No isolamento da ala Covid, os pacientes recebem alimento para o corpo e a alma em Alegrete

Pela primeira vez desde a implementação do modelo de distanciamento controlado, o Rio Grande do Sul têm regiões em bandeira preta.  Bagé e Pelotas foram classificadas como de altíssimo risco epidemiológico para a Covid-19 no mapa preliminar. A constante redução de leitos de UTI livres e o aumento de casos de contágio e de internação por coronavírus resultaram na classificação. As demais regiões estão quase todas em bandeira vermelha, exceto Cruz Alta, que está em bandeira laranja.

Entenda o que muda com a bandeira preta nas regiões classificadas. Mais um alerta para todos já que Alegrete está com dados e números preocupantes. Os leitos de UTI com recorrentes casos de lotação total, sendo que o momento em que obteve números diferentes infelizmente foi em razão dos números quase diários de óbitos, embora alguns pacientes não estivessem em Alegrete, o motivo foi exatamente pela falta de leito, por isso, as transferências.

A bandeira preta não significa lockdown, ou o fechamento geral das atividades. Porém, estabelece uma série de medidas mais restritivas a fim de evitar a disseminação do vírus.

Entre os protocolos de bandeira preta que as cidades nessas regiões devem adotar estão:

  1. Comércio não essencial – fechado
  2. Comércio atacadista e varejista – 25% trabalhadores
  3. Comércio varejista de produtos alimentícios (mercados, açougues, fruteiras, padarias e similares) e combustíveis – 50% trabalhadores
  4. Educação – ensino remoto
  5. Serviços de construção, obras de infraestrutura e indústria de alimentos – 75% trabalhadores
  6. Indústria de bebidas – 50% trabalhadores
  7. Indústria de fumo, vestuário, calçados e similares – 25% trabalhadores
  8. Transporte coletivo – 50% trabalhadores
  9. Feiras, exposições, festas, academias, piscinas, clubes sociais e esportivos, competições esportivas, pet shops, barbearias e salões de beleza – fechados
  10. Missas –  sem presença de público
  11. Restaurantes – tele-entrega e pegue e leve

Flaviane Antolini Favero


Compartilhe
  • 1.4K
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1.4K
    Shares