O colapso tão temido no sistema de saúde se confirmou; tem gente na fila da UTI Covid
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O caos devido a falta de cuidados e o relaxamento em todas as medidas que vêm de forma ostensiva sendo amplamente divulgadas e solicitadas foi exposto nesta manhã(20), numa coletiva de imprensa no Centro Administrativo.

Furtos e estelionatos marcam os indicadores criminais no primeiro semestre em Alegrete

Com a presença do Prefeito Márcio Amaral e integrantes do Comitê de Combate à Covid-19, Dra Marilene Campagnollo, diretora técnica do Hospital e a Dra Simone Estivalet, responsável pela UTI Covid-19, Secretária de Saúde Haracelli Fontoura e o estatístico e advogado Marco Rego que vem auxiliando com gráficos, a situação justifica muito claramente as medidas adotadas a partir de hoje.

Numa tentativa de frear o contágio, um toque de recolher vai ser adotado, assim como, restrições de algumas atividades que tinham sido liberadas em razão da baixa curva anteriormente. Como: atividades esportivas, ensaios de invernadas, eventos tradicionalistas e apenas delivery a partir das 21h.

Caminhoneta fica semidestruída em acidente com cavalo em Alegrete

Com isso, também, ficou clara a preocupação que os médicos da linha de frente há tempos vêm expondo. Dra Simone foi enfática ao dizer que toda a equipe médica também está exausta e que tudo ocorre em razão da falta de conscientização da população, além de afirmar que é o momento de parar, de realmente ter o entendimento que o período é crítico ou as pessoas podem morrer sem atendimento.

A pneumologista falou sobre o colapso na rede de saúde do Município e da busca de vagas para quatro pacientes que estão no hospital de campanha com uso de ventilação mecânica, entretanto, podem a qualquer momento ter a necessidade de entubação o que não será possível, hoje. Uma vaga está sendo avaliada junto à Santa Casa de São Gabriel, o que faz com que Alegrete tenha o primeiro paciente transferido. Além da busca de mais três.

“Se a população não frear essas aglomerações que vêm acontecendo desde o período da Semana Farroupilha, onde iniciou o aumento dos casos, vamos começar a perder pacientes ou ter que escolher quem atender, imagina para nós médicos essa situação” – destacou a médica Marilene Campagnolo.

Trio tenta fugir sem pagar motel e Brigada Militar é acionada em Alegrete

Além de frisar que a maioria dos casos atualmente são pessoas mais jovens e que elas estão levando o vírus para dentro de suas casas. Contudo, esses pacientes estão chegando em um estágio mais avançado e crítico da doença. “Quando iniciou esse aumento de casos positivos e a grande maioria era assintomática ou com sintomas levas, até imaginamos que poderíamos passar por esse período de forma mais tranquila, porém, o quadro se tornou grave de muitos pacientes que estão chegando direto para ventilação mecânica”- citou.

Marco Dorneles Rego expôs a gravidade do momento em gráficos e destacou um número pequeno da população de Alegrete foi infectada até o momento e já estamos enfrentando o caos. Então, isso quer dizer que as pessoas não podem esperar pela dita imunidade de rebanho que é quando cerca de 80% da população é infectada.

Sem velório, alegretense recebe comovente homenagem dos amigos

E a Dra Simone também falou sobre a possibilidade de uma segunda contaminação, as pessoas que já tiveram o vírus não estão imunes e, àquelas que tiveram um segundo contágio a situação é sempre mais grave. Além do número elevado de pessoas assintomáticas que pode passar de 11 mil pessoas.

É preciso acima de tudo conscientização. Em relação aos comentários relacionados à campanha Política o que foi esclarecido é que pode ter contribuído, mas que isso não é o parâmetro e nem o grande responsável pelo número crescente e desenfreado da doença. As pessoas relaxaram demais e, com isso, propagaram o vírus de forma desenfreada o que sempre foi um dos grandes temores.Hoje a UTI da santa Casa está com os leitos 100% lotados e mais pacientes em ventilação mecânica no Hospital de Campanha aguardando leitos fora do Município.

Se as pessoas mantiverem esse comportamento onde não estão usando máscara, aglomerações e falta de higienização, pessoas vão começar a morrer sem atendimento, pois não é questão de respiradores e, sim a falta de equipe. Hoje são cinco médicos que fazem no mínimo 12h por turno durante sete dias na semana.Não há mão de obra, pessoas para somar, a equipe está cansada também, além de fazer horas extras para atender a todos com muita humanidade e carinho- disse Dra Simone.

 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •