Praça Getúlio Vargas tem novo hóspede para o descanso noturno

Na tranquila Praça Getúlio Vargas, no coração de Alegrete, um evento singular capturou a atenção dos transeuntes na manhã de sexta-feira (2).

O protagonista desse acontecimento foi o alegretense Oscar Roodes, bacharel em direito, que se deparou com uma cena que considerou inusitada: uma Maria-Faceira, também conhecida como Socó, exibindo sua doçura em meio à agitação urbana.

Nova coordenação da UPA humaniza o atendimento a pacientes

Conforme apurado pelo PAT, a presença de aves em espaços urbanos tem se tornado cada vez mais frequente, especialmente na Praça Getúlio Vargas, o que já gerou muitos transtornos. Entre os habitantes alados desse local, destacam-se a garça-branca-pequena e o tapicuru-de-cara-pelada, conhecido regionalmente como corvinho. No entanto, a presença da Maria-Faceira tem despertado curiosidade e encantamento na população.

A Maria-Faceira, com sua plumagem colorida e bico distintivo, é uma espécie originalmente brasileira que tem se adaptado aos ambientes urbanos, encontrando na Praça Getúlio Vargas um refúgio para descanso noturno e até mesmo para nidificação. Biólogos têm observado esse fenômeno e apontam possíveis razões para tal migração, incluindo a perda de habitats naturais devido à expansão agrícola e ao desmatamento.

Calorão abrasador continua nesta semana em Alegrete

Apesar do encantamento que essas aves podem despertar, é importante ressaltar os desafios que sua presença pode trazer para a comunidade. As fezes ácidas dessas aves podem danificar a vegetação local e causar desconforto para os moradores. No entanto, é fundamental lembrar que a legislação ambiental vigente proíbe a perseguição ou captura de espécies da fauna silvestre sem a devida autorização, visando à proteção desses animais.

A Maria-Faceira, além de sua presença marcante na paisagem urbana, possui uma série de características fascinantes. Desde seu comportamento dócil até suas estratégias de alimentação, como a busca por insetos e pequenos animais em áreas alagadas, a ave encanta tanto pela sua beleza quanto pela sua singularidade.

Na época reprodutiva, os casais de Maria-Faceira exibem comportamentos peculiares, como voos de exibição e a construção de ninhos frágeis em árvores altas. A observação desses comportamentos é um convite para conhecer mais sobre a vida e os hábitos dessas aves que compartilham conosco o espaço urbano.

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários