Comerciante constrói o próprio jazigo, põe foto e até aponta data de morte: ‘em breve’

Cleyton Melo, de 36 anos, disse que gostaria de ser 'homenageado em vida'. Morador de Limoeiro, no Agreste, ele diz que não 'tem medo de morrer'.

Cleyton Melo de Souza
Cleyton Melo de Souza

O cemitério de Vila Mendes, em Limoeiro, no Agreste pernambucano, ganhou uma construção que está dando o que falar. Um comerciante ficou “famoso” no pequeno distrito de pouco mais de 7 mil habitantes ao erguer o próprio jazigo. No espaço reservado para a data do óbito está escrito “em breve”, ao lado de uma foto colorida dele, que ainda está bem vivo.

“Não tenho medo de morrer. Estou esperando por ela [a morte]”, declara Cleyton Melo de Souza, em entrevista por telefone ao g1.

Aos 36 anos, casado e pai de três filhos de 6, 11 e 18 anos, Cleyton é dono de uma padaria localizada em Mendes, distante seis quilômetros do Centro de Limoeiro. Na localidade, a vida é bem tranquila e o celular nem sempre pega direito.

A padaria ele herdou de um cunhado. Bem de saúde e tranquilo quanto aos negócios, ele disse que pensou na obra da própria tumba para “ser homenageado ainda em vida”.

“Eu ia ao cemitério para acompanhar enterros e ficava pensando nas pessoas que estavam lá, num cantinho, e ninguém via. Eram homenagens discretas. Aí, fiz a minha tumba para ver as pessoas me homenageando de verdade”, afirmou o comerciante, se divertindo da inusitada construção.

O jazigo de Cleyton custou R$ 3.500, incluindo o “terreno”, material e mão de obra. “Fui lá e falei com administrador, disse que ia fazer e ele deixou”, contou.

Na obra, em formato de “capelinha”, há espaço para dois caixões. É possível observar duas fotos de Cleyton, e um local para acender velas e colocar plantas.

O serviço terminou em 2021, mas começou a ganhar mais notoriedade depois que uma pessoa foi ao pequeno cemitério, se deparou com a construção e gravou um vídeo.

Essas imagens, enviadas para ao g1 pelo WhatsApp, mostram com detalhes a construção feita pelo comerciante, com direito a uma narração.

“Por favor, vê que visão isso aqui”, começa o homem no vídeo. “Isso mesmo. Dá uma pausa no vídeo aí. Isso mesmo. O rapaz ainda está vivo e já fez a própria catacumba”, informa o visitante do cemitério de Mendes.

Cleyton disse que não sabe quem é a pessoa que fez o registro, mas se divertiu ao saber que estava “ficando conhecido”.

O comerciante contou que tudo começou na época do primeiro pico da pandemia, ainda em 2020.

Ele admitiu ter ficado abalado com mortes de pessoas próximas e passou a refletir sobre como seria o seu próprio óbito e como “seria lembrado” pelos familiares e amigos. Assim, descobriu que gostaria de não ser apenas mais um morto naquele cemitério.

Passado certo tempo, começou a ser divertir com a repercussão provocada pela construção do jazigo para ele mesmo. E até se surpreendeu com as pessoas visitando a sua catacumba, no Dia de Finados, em 2021.

“Estava curioso para saber como seria. Fui lá e vi o pessoal colocando velas lá. E tinha muita vela, viu. Fiquei pouco tempo para as pessoas não ficarem brincando muito lá”, disse.

Sobre a obra, Clayton afirma que tem “orgulho” do produto final. “Tem espaço para dois caixões”. Sobre o fato de ter escrito “em breve” no espaço para a data de morte, ele respondeu rápido. “Pode ser daqui a cinco horas ou 50 anos”, declarou.

O bom humor de Cleyton só diminui quando fala sobre a reação da própria mulher. “Ela ficou meio brava. E eu ainda disse que ia colocar a foto dela também”, contou, em tom de brincadeira.

Em relação aos amigos, o comerciante definiu de maneira resumida a situação: “O apelido ainda não pegou muito, mas já me chamam de Clayeton da Tumba”. Ao se despedir, garantiu que iria se cuidar e cumprir a recomendação de “ficar bem vivo”.

Fonte: G1

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários