Comunidade surda comemora aprovação da Lei de educação bilíngue

É muito importante os Surdos serem os protagonistas posicionando-se no seu lugar de fala. Afinal educação bilíngue é educação inclusiva. Os surdos não devem deixar os outros falarem por si

Projeto Libras em Alegrete
Projeto Libras em Alegrete

É muito importante os Surdos serem os protagonistas posicionando-se no seu lugar de fala. Afinal, educação bilíngue é educação inclusiva. Os surdos não devem deixar os outros falarem por si.

O sonho surdo por uma educação que contenha traços culturais surdos vem de muito antes do ano de 1880. Naquele ano aconteceu o Congresso de Paris. Nossos ancestrais surdos colocaram as mesmas reivindicações que nós hoje. Agora, em 2021, são 141 anos de muita resistência, garra e conquistas para implementar como povo surdo nossa cultura e língua e uma modalidade específica de educação: educação bilíngue. A valorização da nossa língua, cultura, identidade e política surda são as ferramentas para eliminar os preconceitos, exclusões, e até o terrível etnocídio presentes na sociedade.  Esse sonho ancestral persiste até os dias de hoje. 

Definida em pregão presencial empresa para Tradução e Interpretação de Libras na Câmara

Projeto Libras
Projeto Libras

A recente aprovação do Projeto de Lei 4909/20, do Senado Federal, que disciplina a educação bilíngue de surdos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) é um aspecto importante desde muito reivindicado na luta pela educação bilíngue de surdos. A FENEIS tem batalhado arduamente pela aprovação. Com a próxima assinatura da Lei pelo Presidente da República vai ser possível a separação da educação especial e a autonomia da educação bilíngue. O objetivo é visado desde muito. Entre os anos de 1999 a educação dos surdos estava atrelada às APAES, de onde pouquíssimos surdos conseguiram se integrar socialmente, tanto assim que hoje temos grande maioria de surdos evadidos do ensino público no frescor de suas idades escolares. Daí ser necessário em nosso Estado a criação de EJA bilíngues. Hoje os surdos querem educação bilíngue já que está provada a diferença e a eficácia do ensino bilíngue para os surdos.

A professora da Unipampa de Alegrete, Ana Paula Gomes Lara, reflete que é muito importante os Surdos serem os protagonistas posicionando-se no seu lugar de fala. Afinal educação bilíngue é educação inclusiva como diz a deputada indígena Joenia. Os surdos não devem deixar os outros falarem por si. Daí nosso lema: Nada sobre nós, sem nós”.

Em resposta a esse fato ela questiona se os surdos se beneficiaram com a inclusão nas escolas de ouvintes? Diz que não teve disso e sim evasão escolar deles aos montes, define a professora. Reafirma a eduacadora que, também é surda, que tem um jeito próprio de adquirirem o conhecimento, de aprenderem e, existe uma diferença linguística e experiência visual. Os surdos aprendem pelos olhos e não pelos ouvidos. Perlin e Reis (2012) explicam que são leitores por excelência. E isso precisa ser respeitado, assim como, o próprio lugar de fala do surdo, para que saibam “qual Educação nós surdos queremos”

Alguns Caminhos

Ela indica às famílias que busquem informações e orientações para que tenham consciência da melhor forma de educação para seu filho surdo. É fundamental que a família aprenda Libras para se comunicar com o filho surdo. Aconselha evitar a influência clínica em relação a orientação referente ao implante coclear. Um dos piores erros que as famílias cometem é insistir na imposição da oralização através de exaustivas sessões de fonoaudiologia e escola inclusiva de ouvintes.

A professora coloca que é preciso buscar intérpretes de Libras e professores com conhecimento sobre a Língua Brasileira de Sinais e uma pedagogia própria para a educação dos surdos. O importante é a convivência com outros surdos conhecedores de libras. Quanto mais cedo isso acontecer, mais cedo e melhor será a integração social dos surdos. Importa as famílias de surdos se engajarem juntas numa proposta de educação bilíngue.

-Sobre a nossa cidade de Alegrete, quando vim morar aqui, como professora da UNIPAMPA, a maioria dos surdos estavam evadidos da escola e também a maioria deles com a mínima integração social. Em conjunto com a Tradutora/intérprete e pedagoga Roberta dos Santos Messa preparamos uma série de projetos de extensão UNIPAMPA visando trazer para Alegrete um espaço para educação de surdos ao nosso jeito e do nosso lugar de fala.

Projeto Libras
Projeto Libras

Essa parceria: Unipampa e Município fez com que conseguíssemos criar uma turma de EJA para os surdos. Hoje são 20 surdos nesta escola. Trabalharam intensamente no sentido de possibilitar a essa turma, um “currículo surdo”, ou seja onde os conteúdos usuais em educação são incluídos, além disso constando os aspectos da cultura surda, e da necessária integração diária com os ouvintes

A intenção é solicitar ao poder governamental a criação no Município de um projeto de educação bilíngue. Planejamos também criar uma associação para surdos e uma central de intérpretes na defesa dos Direitos Surdos. Uma conquista recente é a contratação de profissionais intérpretes de Libras na Câmara de Vereadores que irá tornar acessível as informações referentes a política para a nossa comunidade surda.

Fotos antes da pandemia

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários