Mary Duarte, a Mais Bela Comunitária Plus Size comenta sobre barreiras e conquistas
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Mais Bela Comunitária Plus Size, Mariele Duarte de Abreu, é a entrevistada do Portal Alegrete Tudo. Com uma agenda lotada, Mary Duarte como é conhecida por mais de 4 mil seguidores no Instagram, ferramenta que aprendeu a interagir recentemente por incentivo da amiga Leidria Moreira.

Mary conseguiu mobilizar seguidores e arrecadar alimentos para doar para comunidade do Bairro Vila Piola, a representante disputa um concurso em rede social e conseguiu mobilizar seus seguidores para doação.

Filha de Mara Rosane Severo Duarte, ela é maquiadora profissional, desinger de sobrancelhas e professora na Escola instituto Mix de Profissões. Confira a entrevista:

Como foi ser escolhida a Mais Bela Comunitária Plus Size de Alegrete ?

Ser escolhida a Mais Bela Comunitária Plus Size da Alegrete, foi um marco bem importante. Alguns anos atrás, nós não tínhamos essa categoria dos concursos de beleza, como se pessoas do tamanho plus, pessoas grandes, não pudessem ser belas. E foi muito importante isso, tanto para nossa cidade, quanto para o nosso país. Então, é muito, muito importante, ter alguém que represente essa condição,  principalmente em concursos de beleza. Mostrando que todas somos capazes de desfilar e, sim, sermos belas.

Quais atividades que tu já fizeste em prol da comunidade do Bairro Piola ?

Eu sempre tentei ajudar de várias maneiras. Ajudando nos compartilhamentos dos pedidos de ajuda do presidente do bairro e sempre que eu posso visito a comunidade, gosto de estar mais próxima, não só pelo fato de de ter uma faixa. A arrecadação de alimentos vai ajudar famílias carentes do bairro. Então, isso me deixa bastante feliz.

O que mudou na tua vida depois de conquistar esse título ?

Foi muito importante conquistar o título. Mostrar para outras mulheres que nós podemos participar de concurso de beleza, nós podemos ser mulheres empoderadas, ser mulheres independentes e mudou muito. Mostramos pra muita gente o quanto nós somos capazes disso.

Já sofreste algum tipo de preconceito ?

Já sim, sofri muito preconceito pelo fato de estar acima do peso e, inclusive, na questão de trabalho, de pessoas não acreditarem tanto no teu potencial por estar acima do peso. E, às vezes, a gente tem que mostrar com as atitudes, ou profissionalismo, o quanto nós somos capazes. Muita gente acha que não. Não, eu não tenho preconceito com pessoas gordinhas, mas fazem comentários bastante “gordofóbicos”. Eu já sofri preconceito, tanto na questão profissional, quanto na questão pessoal. Eu acho que nós podemos usar a roupa que que quisermos, a gente pode ser do jeito que nós somos, a gente pode não ficar escrava de maquiagem. Por mais que eu seja maquiadora, eu acabo mostrando pras pessoas que nós somos bonitas, tanto maquiadas quanto sem a maquiagem. Isso é muito, muito importante. É existir pessoas que representem isso, que mostrem o quanto nós somos bonitas, do jeito que somos. Eu fico até constrangida com alguns comentários e ainda tem pessoas que ficam romantizando a obesidade, não sei se é essa a palavra, mas ficam tentando achar apelidos carinhosos. Eu sou gorda, assim como alguém é magro, eu sou gorda assim como alguém é branco, assim como alguém é preto. E não tem problema nisso.

Quais são as necessidades dos moradores da Piola que tu já conseguiu minimizar ?

O concurso, influenciador digital da cidade, está promovendo arrecadação de alimentos que me deixou bastante sensibilizada pra que a gente conseguisse juntar, o maior número de alimentos, para ajudar pessoas carentes da nossa cidade. Infelizmente vou dizer infelizmente, eu nunca tinha pensado nisso antes do concurso. Do fato de ajudar a comunidade, com certeza, essa é uma das coisas que eu vou começar a trabalhar mais em cima disso. Porque, enfim, a rotina do nosso dia a dia, do nosso trabalho, faz com que a gente não pense muito nas coisas. E partir do concurso que tive a a ideia mesmo de de tentar ajudar pessoas que estão precisando. Eu sei que o bairro Piola é um bairro bastante carente e existem muitas pessoas lá que precisam de ajuda e eu vou trabalhar muito em prol pra ajudar crianças, famílias, pessoas que estejam precisando.

Profissionalmente tu és maquiadora. Como é embelezar as mulheres em plena pandemia ?

Sim, sou maquiadora, professora. É muito importante, principalmente nesse momento que a gente tá vivendo, um mundo de incertezas, das coisas que estão acontecendo, a gente acaba meio que ficando na defensiva, não sabendo o que vai acontecer e o meu papel como maquiadora, como professora, é incentivar pessoas a não desistirem. A continuarem, se amando, continuarem se aceitando, tanto com maquiagem, quanto com qualquer coisa que faça a gente se sentir bem. Então, eu tô sempre tentando apoiar essas mulheres que aparecem na minha vida de uma maneira muito fraterna, pelo fato de trabalhar diretamente com mulheres, isso faz com que eu consiga ter esse poder, passar isso para as pessoas. Nesse momento, tá sendo bastante importante a gente abordar o fato da aceitação, desse cuidar, tanto se maquiando, cuidando do cabelo, da pele, de alguma forma. Então, eu sempre tô tentando fazer o o melho para as clientes, alunas e todos que estejam à minha volta, para as pessoas que me seguem nas redes sociais. Então, eu tô sempre tentando incentivá-las de alguma forma.

Como tu estás encarando estes dois anos de pandemia ?

Nossa, quando a pandemia começou eu era uma das pessoas que pensava que duraria um mês, dois meses, é mais um vírus, provavelmente a gente vai ter uma vacina daqui a alguns meses e vai tá tudo certo. E não foi o que aconteceu. Eu tive que me reinventar, porque a gente trabalha diretamente com vendas. Elas acabaram caindo, teve momentos em que o estúdio esteve fechado, inclusive teve um momento que a gente ficou trinta e três dias com o estúdio fechado e aquele momento foi um dos mais difíceis, porque ser empreendedora na nossa cidade e no nosso país, é muito difícil, às vezes a gente acaba pagando pra trabalhar e foi muito, muito complicado, viver esse momento profissionalmente e, também, porque o nosso psicológico acaba ficando um pouco abalado. Mas, graças a Deus, a gente conseguiu se reinventar, conseguiu trabalhar com outros serviços, mostrando para as pessoas o quanto a gente precisa continuar, o quanto a gente não pode desistir, em meio a tantas perdas. Eu chego comemorar esse momento, inclusive já fiz a minha primeira dose.

Na tua concepção. O que é plus size ?

Plus size em inglês, quer dizer, tamanho grande. A gente tá abordando não só o tamanho, mas mostrando o quanto a gente precisa fazer com que empresas, fabricantes de roupas, principalmente, consigam fazer roupa que realmente a gente possa usar de uma forma que fique bonita, que fique na moda, porque acham que as gordinhas não podem estar na moda sempre usando roupas que pessoas de mais idade usariam. Então, é muito importante a gente abordar o termo porque é importante nesse tempo em que nós estamos vivendo, de aceitação, de mostrar o quanto nós podemos usar a roupa que a gente quer.

E a participação no Concurso Digital Influencer como está ?

Nossa, antes de mais nada, o concurso digital foi uma das coisas que mais me fizeram pensar nessa pandemia. Quando uma das etapas foi a arrecadação de alimentos e a partir do momento em que eu abordei isso nas minhas redes sociais e pedi ajuda. Foi muito importante o concurso e ainda está rolando. Lutei muito pra que isso acontecesse, hoje estou lutando também para mostrar que influenciador digital também é uma profissão, porque é uma arte.

Júlio Cesar Santos                      Fotos: acervo pessoal


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •