Quando a empatia muda para melhor a vida das pessoas
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Há um jeito simples de fazer o mundo um lugar melhor: sendo gentil e ajudando os outros a seu redor. O que muda o mundo são exatamente essas pequenas atitudes do dia a dia que afetam diretamente as pessoas.

O que para muitos pode ser um gesto simples, para a funcionária da Casa de Carnes Santo Antônio, Leda Celeste Marques Müller de 31 anos, representou um gesto grandioso, humano e solidário. Depois de ter a bicicleta, que ela ainda nem começou a pagar, furtada, Leda foi surpreendida pelo proprietário da empresa em que trabalha há dois meses, Sílvio Gedel, com a doação de uma bike nova para que ela possa continuar trabalhando e se locomovendo sem problemas.

Uma atitude do bem tem um valor incalculável; veja o exemplo

A reportagem do PAT entrevistou a alegretense que se emocionou ao descrever sua alegria e gratidão. Ela disse que estava há três anos desempregada e, quando soube das vagas de emprego na filial da Casa de Carne Santo Antônio, na Zona Leste, deixou seu currículo. Leda foi selecionada entre 3 mil candidatos, uma experiência nova, pois está trabalhando no açougue, porém, ressalta que todo o aprendizado somente acrescenta e soma para crescimento profissional e pessoal. Para esse novo desafio, ela que reside no bairro Restinga, adquiriu uma bicicleta para desta forma ter tempo hábil de ir almoçar na casa da mãe, no bairro Vila Nova. ” Esse mesmo trajeto que faço em 15 minutos de bicicleta, a pé, levo no mínimo 45 minutos”- disse a funcionária.

Ao completar 35 anos, personagem das ruas centrais ganha festa surpresa

O furto.

Na última terça-feira, ao sair para o intervalo, Leda não encontrou a bike que ficava no bicicletário da empresa. “Quando não encontrei fiquei em choque, no primeiro momento, pensei que pudesse ser alguma brincadeira, mas ao mesmo tempo, percebi que somente eu tinha a chave do cadeado. Sai de mim, parecia que não era verdade ou eu não queria acreditar. Todos os colegas foram muito solícitos. Eles conversaram comigo, disseram que talvez, tivesse algo positivo, que eu pensasse que era Deus evitando alguma coisa pior naquele momento” – lembrou.

A surpresa.

Por dois dias seguidos, Leda foi a pé para a casa da mãe. Durante o percurso ela se questionava, comentou que ficou brava e a cada passo conversava com Deus, pois em seu entendimento, o que adquiriu com sacrifício para que pudesse auxiliá-la no emprego e nem ao menos começou a ser paga, foi retirada desta forma. Ao mesmo tempo, nem poderia pensar em comprar uma outra bicicleta.

Profissional de saúde desabafa: a população precisa ter mais responsabilidade e respeito em relação à Covid

Mas, na quinta-feira, durante o expediente, as colegas comentaram que ela seria contemplada com uma bike, doada pelo proprietário da empresa, Silvio Gedel. Porém, naquele momento, a funcionária não imaginou que realmente fosse acontecer. Pouco tempo depois, ela foi surpreendida com uma bicicleta nova. “Quando ele falou que era minha, comecei a chorar e, para cada pessoa que eu iria comentar não conseguia segurar às lágrimas” – falou a alegretense.

O gesto do empresário, além de valorizar a funcionária também demonstrou empatia e solidariedade ao saber da história e o que tinha ocorrido com a colaboradora.

Para finalizar, Leda disse que a palavra Gratidão contempla tudo o que estava sentindo, diante da grandeza e generosidade do empresário que também foi responsável por mudar sua vida há dois meses com a oportunidade de trabalho.

Flaviane Antolini Favero


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •