RS prepara logística para receber vacinas contra coronavírus na próxima semana

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Governo estadual montou estrutura para receber o imunizante a partir segunda (18). Ministro Pazuello anunciou início da vacinação em todo o país para quarta-feira, dia 20 de janeiro.

O governo do Rio Grande do Sul afirma estar preparado para receber e distribuir as doses da vacina contra o coronavírus adquiridas pelo Governo Federal, a partir da semana que vem. Em encontro com prefeitos de todo o Brasil, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello informou que a vacinação contra a Covid-19 começará em todo o país na quarta-feira (20).

Arita Bergmann, secretária da Saúde, e Ana Costa, diretora do Departamento de Ações em Saúde do estado, falaram sobre o assunto em entrevista à RBS TV nesta quinta-feira (14).

Segundo Ana Costa, há estrutura montada para chegada das doses a partir de segunda-feira (18).

“Estamos preparados a partir de segunda para recebê-las. Nós estamos organizados com as nossas equipes para distribuição proporcional aos nossos municípios”, afirma.

Apesar da estimativa, o governo gaúcho não consegue precisar sobre uma data e nem qual será o número de vacinados.

“Vamos com cautela porque ainda não sabemos a quantidade de vacinas, não sabemos exatamente qual o dia preciso que ela estará à disposição. O governo do Estado do Rio Grande do Sul está organizado para dar agilidade para que este imunizante chegue o mais rápido possível cada uma das coordenadorias, e certamente os municípios que têm tradição na organização de campanhas, também serão rápidos”, acrescenta a secretária Arita.

Voluntário recebendo a vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em junho 2020; Anvisa analisa imunizante  — Foto: Siphiwe Sibeko/Pool via AP

Voluntário recebendo a vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em junho 2020; Anvisa analisa imunizante — Foto: Siphiwe Sibeko/Pool via AP

A distribuição do imunizante acontecerá de forma parecida com outra campanhas de vacinação. Serão levadas até as coordenadorias de saúde, e cada município terá a responsabilidade de buscar as doses.

“Imaginamos que depois de chegar na coordenadoria, 2 a 3 dias a vacina vai estar circulando para que a população, que está prevista nessa primeira etapa, possa ser imunizada”, explica Arita.

Nesta primeira etapa está prevista a vacinação de profissionais na linha de frente em contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), centros de triagem e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), idosos em lares de longa permanência, idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos), indígenas e quilombolas.

A estimativa é que cerca de 1 milhão de pessoas faça parte do primeiro grupo a ser vacinado no RS. Ainda segundo a SES, dependendo da quantidade de doses que venham para o estado, não se descarta fazer um recorte para eleger prioridades.

O estado está dividido em 18 Coordenadorias Regionais de Saúde, são elas:

  1. 1ª CRS (Porto Alegre)
  2. 2ª CRS (Frederico Westphalen)
  3. 3ª CRS (Pelotas)
  4. 4ª CRS (Santa Maria)
  5. 5ª CRS (Caxias do Sul)
  6. 6ª CRS (Passo Fundo)
  7. 7ª CRS (Bagé)
  8. 8ª CRS (Cachoeira do Sul)
  9. 9ª CRS (Cruz Alta)
  10. 10ª CRS (Alegrete)
  11. 11ª CRS (Erechim)
  12. 12ª CRS (Santo Ângelo)
  13. 13ª CRS (Santa Cruz do Sul)
  14. 14ª CRS (Santa Rosa)
  15. 15ª CRS (Palmeira das Missões)
  16. 16ª CRS (Lajeado)
  17. 17ª CRS (Ijuí)
  18. 18ª CRS (Osório)

 

Prefeito de Porto Alegre participa de reunião com ministro da saúde sobre vacina  — Foto: Reprodução/Prefeitura de Porto Alegre

Prefeito de Porto Alegre participa de reunião com ministro da saúde sobre vacina — Foto: Reprodução/Prefeitura de Porto Alegre

O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, participou da reunião com Pazuello na manhã desta quinta. Segundo ele, a secretaria municipal da saúde já trabalha na estratégica de distribuição da vacina na Capital.

“Virá pouca vacina neste momento. Temos uma população idosa que não é pequena, além dos trabalhadores da saúde. O governo federal ainda não precisou a quantidade de doses, mas Porto Alegre está preparada para receber a vacina”, disse Melo.

Fonte e crédito: G1


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •