O brutal assassinato que ceifou a vida da cuidadora de idosos de 48 anos

Na noite de ontem(20), no bairro Lara, um homem ceifou, de forma brutal, a vida da ex-companheira, Neuza Elara Santos da Rosa de 48 anos. A vítima trabalhava como cuidadora de idosos, segundo informações de uma irmã.

O brutal assassinato que ceifou a vida da cuidadora de idosos de 48 anos
O brutal assassinato que ceifou a vida da cuidadora de idosos de 48 anos

Ela deixou quatro filhos e conheceu o autor através da redes sociais. Eles tinham um relacionamento há mais de um ano e, nos últimos tempos, Elara decidiu colocar um ponto final na relação, mesmo assim, pensando em auxiliar o ex-companheiro, permitiu que ele ficasse em umas peças nos fundos da sua residência.

Mas o relato é de que ele não aceitou o término. No início da noite de quarta-feira(20), a vítima chamou o ex-companheiro e pediu para que ele entregasse as chaves da casa, dela, que ainda estavam com ele e o casal teria se desentendido.

BM e Conselho Tutelar atendem denúncia de maus tratos envolvendo criança em Passo Novo

Logo depois, conforme relato do autor aos policiais, ele foi para a peça, teria ingerido medicamentos e bebida alcoólica e, na sequência, entrou na casa da vítima com uma faca em punho.

A filha dele, de 15 anos, que residia com a ex correu para a rua e ligou para a Brigada Militar, acionando os policiais em decorrência de uma briga. Mas o homem já estava esfaqueando a vítima e, assim que a viatura chegou, Elara já estava sem vida no chão da sala. O Samu foi acionado e constatou o óbito.

O homem saiu da casa, deixando a faca que usou para matar Elara em cima do sofá, porém, pouco tempo depois, ele mesmo entrou em contato com a Brigada Militar e indicou onde estava. Quando a guarnição chegou rua Maurício Cardoso, o indivíduo, que estava com as roupas sujas de sangue, confessou aos PMs que havia esfaqueado a ex e indagou se os policiais poderiam matá-lo.

Sobrevivente de tentativa de feminicídio: “o amor da minha vida quis me matar”

A situação foi contornada e o autor, de 42 anos, foi levado à UPA onde passou por atendimento médico devido a um corte no pé. O indivíduo estava o tempo todo tranquilo.

Ele é natural de São Francisco de Assis e já tinha antecedentes por violência doméstica. A menor de 15 anos que residia na casa com Elara é filha do autor e enteada da vítima.

Elara foi morta com muitas facadas de acordo com levantamento preliminar. A face e o pescoço foram os locais mais atingidos.

“Ela era uma pessoa do bem, trabalhava muito e tinha um grande coração” – disse uma irmã.

Autor confesso, à Brigada Militar, do feminicídio, foi encaminhado à DP onde foi autuado em Flagrante, pela Delegada Fernanda Mendonça e posteriormente foi levado ao Presídio Estadual de Alegrete.

Brigada Militar evita feminicídio no Parque dos Patinhos

Segundo Delegada Fernanda Mendonça, titular da DPPA e 1ªDP, de Alegrete, até o momento, não há mais detalhes sobre o crime. A Perícia deverá enviar o laudo nos próximos dias. No depoimento à Polícia Civil, o homem se manteve em silêncio e disse que iria falar somente em juízo.

Esse foi o primeiro feminicídio, consumado, do ano de 2022, em Alegrete. Nos últimos dias, mais duas prisões ocorreram por tentativa. A primeira foi numa ação integrada entre a Polícia Civil de Alegrete e Quarai, onde o indivíduo foi preso no bairro Kennedy, já o outro caso, o acusado foi preso, pela Brigada Militar, no bairro Palma, Zona Leste.

Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigas
O mais novo Mais Votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Ana Terezinha Dorneles Machado

Meu Deus 😱😱 como pode uma pessoa ceifar a vida de outro, sem dó nem piedade