fbpx

Presidente do Sindicato Rural avalia 2020 como positivo, apesar da pandemia
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O presidente do Sindicato Rural de Alegrete, Luis Plastina Gomes,  divulgou  o balanço de 2020 e as perspectivas para 2021 da entidade ruralista. Na avaliação do presidente, o Sindicato trabalhou na reformulação da gestão adequando sua estrutura às novas realidades impostas pelo cenário pandêmico.

Para  o líder ruralista, a busca foi por  não perder receitas com serviços prestados pela entidade apesar da crise geral.  “Nós sabíamos que não havia a possibilidade de parar.  Parar não existe em nosso vocabulário. Tomamos todos os cuidados e continuamos fornecendo os alimentos à nossa população.

Luís, o artista que trabalha na rua sonha em comprar um novo violino e fazer faculdade

Houve aumento da demanda da carne e do arroz, em virtude das mudanças de hábito das pessoas durante a pandemia”, comenta Gomes. Para ele,  os preços dos alimentos terão o mesmo cenário de alta em 2021 mesmo com a previsão de maior equilíbrio entre oferta e demanda.

Gomes  também afirmou que acredita em um aumento de produção nos próximos anos, mas que uma recuperação consistente da economia dependerá da superação de desafios internos como a aprovação das reformas administrativa e tributária.

O Sindicato defende uma reforma tributária que simplifique e traga segurança jurídica, mas que não aumente a carga tributária dos produtores rurais.

Segundo ele, o  Sindicato Rural continuará atuando para evitar a elevação dos custos de produção da atividade agropecuária, com o objetivo de manter a competitividade e impedir uma alta dos preços dos alimentos para a população em função de uma carga tributária maior sobre os alimentos.

Neste contexto, o Sindicato Rural acredita que a melhora dos indicadores econômicos brasileiros passa pela preservação dos instrumentos de financiamento da atividade produtiva e de políticas públicas que garantam a isenção tributária dos produtos da cesta básica. Segundo o presidente do Sindicato, queda da economia brasileira foi menor em 2020 devido às ações do setor agropecuário, que agiu para que não faltasse alimento na mesa do brasileiro. “Agimos em diversas frentes para não deixar que a população brasileira sofresse qualquer desabastecimento e também conseguimos honrar nossos compromissos”, afirmou.

Bombeiros mergulhadores localizam corpo de militar desaparecido no Ibirapuitã

Do lado da oferta, a entidade destaca que um dos fatores que podem ditar o ritmo da produção será a intensidade do La Niña, especialmente na região Sul.

Balanço 2020 – “O ano de 2020 foi desafiador, mas trouxe vários resultados positivos para o setor. Crescemos muito, mas ainda temos espaço para crescer”, conclui Gomes.   No início da pandemia, o Sindicato focou no auxílio ao produtor rural para manter a produção de alimentos como atividade essencial. Também trabalhou com intensidade para manter as atividades no Parque Dr. Lauro Dornelles para garantir o fluxo de eventos e criou, também, novos canais de comercialização para a manutenção da renda e redução dos custos do produtor. “Nós  nos reinventamos. Fizemos um grande trabalho de gestão  para equilibrar as finanças. Desde a diminuição das reuniões presenciais, até os problemas com locatários do parque de exposições Dr. Lauro Dornelles”, enfatiza.

Gomes comenta que nem  mesmo a tradicional Exposição Agropecuária pode seguir nos mesmos moldes, o que foi de certa forma positivo. “Nós fizemos transmissões  dos remates de forma online, o que foi uma grande inovação. Inclusive, a Feira de Ovinos inaugurou um novo momento com a transmissão feita por uma empresa local.  Tudo exigiu um trabalho de adequação à pandemia  e protocolos exigidos. Alógica foi diminuir a quantidade presencial e aumentar a virtualidade para eventos de gado geral e de seleção. É um processo que só evoluirá daqui pra frente. Não voltaremos para trás”, destacou.

Brigada Militar doou brinquedos a centenas de crianças de Alegrete e Manoel Viana

Gomes avaliou de forma positiva todo o trabalho de representação do Sindicato Rural junto às Comissões do Sistema Farsul, conselho da APA do Ibirapuitã, Comitê Ibicuí e nos Conselhos de Agropecuária, Ambiental e Saúde.

Parceria SENAR-RS–Os cursos em parceria com o SENAR-RS  com foco na Assistência Técnica e Gerenciamento (ATEG) contribuem para o desenvolvimento das atividades de bovinocultura e ovinocultura no município.

Júlio Cesar Santos                                                  Fonte e Fotos: Sindicato Rural


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •