Alegrete registra saldo negativo de 41 vagas formais em abril

O balanço é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) divulgado na quarta-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Conforme os números anunciados o município de Alegrete encerrou abril com o fechamento de 41 postos de trabalho com carteira assinada. O resultado de abril decorreu de 397 admissões e de 438 desligamentos.

Cão é mutilado dentro do pátio de casa no Bairro Nilo Gonçalves

Dos cinco grupos setoriais todos mais demitiram do que contrataram no quarto mês do ano. Na indústria, houve 62 admissões e 76 desligamentos. Foram quatorze postos de trabalho cessados. A área agropecuária desligou 107 contratos e havia admitido 97 em abril. No ramo da construção civil das 13 contratações, foram 22 demissões. No grupamento de Serviços, abril registrou 11 admissões contra 116 desligamentos (-5). O comércio também fechou no vermelho, em abril três postos de trabalho foram encerrados. Das 114 admissões, abril contabilizou 117 desligamentos.

Cãozinho cruelmente esfaqueado na Zona Leste vai sobreviver

Num comparativo, com o mesmo período do ano passado, Alegrete fechou 41 postos de trabalho com carteira assinada. Em abril de 2023, foram 347 admissões e 388 desligamentos.

Alegrete nos últimos 12 meses, ou seja, de maio 2023 a abril 2024, são 171 admissões e 156 desligamentos, com saldo positivo de 21 empregos criados, números com ajustes. Já no acumulado do ano, são 19 vagas abertas, também resultados com ajustes. No município, o quadrimestre registra 69 admissões e 50 desligamentos.

No primeiro quadrimestre do ano, foi o segundo mês que o município registra saldo negativo na geração de emprego. Antes de abril (-41), o mês de janeiro findou com 37 contratos extintos. Fevereiro e Março foram responsáveis por criar 213 empregos com carteira assinada.

O Brasil fechou o mês de abril com saldo positivo de 240.033 empregos com carteira assinada. O resultado de abril decorreu de 2.260.439 admissões e de 2.020.406 desligamentos. Todas as regiões do país tiveram saldo positivo na geração de emprego no mês passado. No Sudeste, foram 126.411 postos, variação positiva de 0,54% em relação a março. No Sul, foram 45.001 postos (0,53%); no Centro-Oeste, foram 24.408 postos (0,59%). O Nordeste somou 23.667 postos (0,31%); e o Norte, 15.745 postos (0,68%).

Assassino do dono do Tokas bar foi condenado a mais de 17 anos de prisão

Em termos relativos, os estados com maior variação na criação de empregos em relação ao estoque do mês anterior são Acre, com a abertura de 1.267 postos, aumento de 1,2%; Amapá, que criou 902 vagas (1,02%); e Espírito Santo Piauí, com saldo positivo de 8.167 postos (0,92%).

As unidades federativas que tiveram menor variação relativa em relação ao estoque do mês anterior foram: Alagoas: menos 1.607 postos (0,37%); Pernambuco: 1.103 postos (0,08%); e Rondônia: mais 724 postos (0,25%).

Em termos absolutos, as unidades da federação com maior saldo no mês passado foram São Paulo, com 76.299 postos (0,54%); Minas Gerais, com 25.868 vagas criadas (0,53%); e Paraná, com a geração de 18.032 postos (0,57%).

As unidades federativas com menor saldo foram: Alagoas: 1.607 postos (0,37%); Pernambuco: 1.103 postos (0,08%); Roraima: mais 480 postos (0,61%).

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários