Alunos em anos finais do ensino médio não terão mais educação física

O novo currículo escolar da rede estadual do Rio Grande do Sul foi publicado no fim de 2021 em portaria da Secretaria da Educação (Seduc) e surpreendeu educadores e estudantes. Em 2022, alunos dos 2º e 3º anos do ensino médio não terão a disciplina de educação física na grade de atividades.

Educação física prestes a ser abolida nas escolas

A Seduc afirmou em nota que a mudança na grade de disciplinas cumpre o previsto no novo ensino médio, que começa a ser implementado neste ano em todo o país.

“A prática da Educação Física segue presente no currículo na formação geral básica e será desenvolvida também nos Itinerários Formativos, onde será ofertada nas trilhas formativas da área das Linguagens e suas Tecnologias e eletivas”, diz. Leia a íntegra da nota abaixo.

Entidades ligadas a profissionais da área criticaram a mudança no currículo. A Delegacia Regional da Federação Internacional da Educação Física no RS enviou um ofício para o governo do estado defendendo a manutenção da disciplina nos anos finais do ensino médio.

“A gente está lutando para que continue, no mínimo, uma vez por semana”, diz o delegado regional, Everton Deiques.

Com o novo ensino médio, a disciplinas viram áreas do conhecimento, de modo similar ao que acontece no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e deixam de ser ministradas como eram até então. Para este ano letivo, só há previsão de um período semanal de educação física, para alunos do 1º ano.

Muitos profissionais de saúde estão infectados pela nova onda da Covid

O professor cita estudos científicos na área que recomendam a realização de atividades físicas ao menos três vezes por semana e a importância da prática na formação dos adolescentes.

“Hoje em dia, devido à violência e à tecnologia, o jovem está mais afastado dos esportes. Então, ele precisa da escola. A família brasileira não tem condições de pagar uma escolinha de futebol, handebol, de vôlei., ela depende da escola”, afirma.

Entre os estudantes, a reforma também causa preocupação entre os estudantes. O presidente da União Gaúcha dos Estudantes Secundaristas (UGES), Lincoln Fonseca, diz que a nova proposta pode aumentar a desigualdade entre estudantes de escolas públicas e privadas. Além disso, a entidade teme que a redução da carga de algumas disciplinas prejudique a preparação dos jovens para o vestibular.

“Aconteceu com a educação física, aconteceu com a literatura, de ter períodos reduzidos. Arte, biologia, história. Tirar essa matérias, além de atrapalhar a formação do cidadão, atrapalha o senso crítico do estudante”, considera.

Integrante da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, a deputada Sofia Cavedon (PT) é profissional da educação física. A parlamentar disse que considera frágil a proposta do governo, não apenas em relação à disciplina, mas com o agrupamento de outros conteúdos em uma mesma denominação.

“A educação física é um dos impasses. Tem vários problemas seríssimos, na redução da formação integral. Há um encaminhamento precoce para o mundo do trabalho. Nós fizemos toda a problematização nesse semestre e, mesmo assim, não teve escuta do governo”, avalia.

A Comissão de Educação deve realizar uma audiência pública para debater a questão em fevereiro.

Nota da Seduc:

A partir da implementação da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que norteia toda a Educação Básica brasileira, tanto na rede pública quanto na rede privada, o Novo Ensino Médio surgiu como uma proposta para a renovação de oferta de educação aos jovens brasileiros e visa aproximar as escolas da realidade dos estudantes. Entre seus objetivos, estão o protagonismo do estudante e a permanência escolar por meio de aprendizagens significativas.

Esta mudança abre espaço para uma nova organização curricular permitindo a composição de um currículo que proponha, além dos componentes curriculares, a oferta de clubes, oficinas, projetos, incubadoras, núcleos de estudo, de criação artística, entre outros espaços que podem ampliar também a prática e a cultura do esporte nos sistemas e instituições escolares. A referida proposta dialoga com as Metas do Plano Nacional e Estadual de Educação.

Pela proposta, o primeiro ano, que inicia em 2022, contempla a formação geral básica. Nessa etapa, o aluno tem as disciplinas normais de formação geral: Língua Portuguesa, Matemática, Inglês, Artes, entre outras, além de carga horária destinada a seu Projeto de Vida e sua relação com o mundo do trabalho.

No segundo ano, que iniciará em 2023, depois de o aluno trabalhar seu Projeto de Vida, ele poderá optar por Itinerários Formativos que contemplem seus interesses e anseios profissionais.

A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) destaca ainda que a prática da Educação Física segue presente no currículo na formação geral básica e será desenvolvida também nos Itinerários Formativos, onde será ofertada nas trilhas formativas da área das Linguagens e suas Tecnologias e eletivas.

A finalidade é possibilitar que os estudantes participem de práticas diversificadas, que lhes permitam ampliar suas capacidades expressivas em manifestações artísticas, corporais e linguísticas, proporcionando oportunidades para a consolidação e a ampliação das habilidades de uso e de reflexão sobre as linguagens.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários