Yonlu é aplaudido no Cult e debate coroou evento em Alegrete

A sessão única na noite de terça-feira (24), do longa metragem Yonlu foi um sucesso. A começar que o roteirista e diretor Hique Montanari estava em casa, diante de uma plateia especial.

Finalmente, depois de mais de dois anos, Alegrete pode assistir a Yonlu, o premiadíssimo filme do alegretense Hique Montanari, que percorre festivais e salas de cinema do mundo todo.

Autor do assassinato de Samuka foi condenado a mais de 25 de prisão

Yonlu foi um adolescente genial. Músico de enorme talento, compunha e produzia suas canções no estúdio montado no próprio quarto, já utilizando os recursos da internet, fenômeno que explodia. Essa mesma internet ofereceu a ele o fórum de suicidas que o levou a tirar a própria vida.

Falta pouco para polícia apontar se Dienifer se suicidou ou foi assassinada

Hique faz uma imersão na vida do garoto: seus desenhos, seus textos, sua obra musical, suas angústias, sua busca, sua solidão. Um guri bonito, com pais presentes, mas cuja intensidade e genialidade transbordavam.

Uma não aceitação da realidade e do mundo, típica dos superdotados. Fluente em cinco idiomas, Yonlu não conseguiu o equilíbrio entre sua genialidade e as inseguranças típicas de um adolescente.

O terapeuta de Yonlu explica: quando mais ele precisou de alguém que segurasse sua mão, os suicidas do fórum da internet o empurraram para o abismo.

Homem é golpeado com mais de 10 facadas em Alegrete; autor foi preso pela Brigada Militar

Aclamado pelo público ao final da exibição, Hique Montanari estava emocionado. Enfim, depois desses anos tensos e tristes de pandemia, apresentava seu filme à sua cidade. Pai e mãe presentes.

Além de concretizar o sonho de apresentar Yonlu em Alegrete, Hique teve o carinho dos pais na sessão

Isso foi possível graças à parceria com Cristiane Brandolt, a jovem empresária proprietária do Cult Cinemas, do ativista cultural e jornalista Paulo Berquo e o cineasta Hique.

Trio formou uma parceria de sucesso

Ao final da exibição do filme, a alegretense Judete Ferrari, psicóloga com larga experiência em saúde mental, emprestou seu conhecimento à roda de conversas. O onipresente Coletivo Multicultural de Alegrete também deu suporte à comovente noite de cinema, de arte e de reflexão.

Fotos: reprodução

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários