Alegrete| O que tinham em comum os homens encontrados mortos em 2023

Uma série de ocorrências envolvendo homens que viviam sozinhos e foram encontrados sem vida marcaram o ano de 2023 em Alegrete.

A ausência de sinais de violência e a prevalência de problemas de saúde, como mal súbito e complicações cardíacas, foram as principais características desses casos.

Os registros começaram em março deste ano, quando um trabalhador rural de 56 anos foi encontrado sem vida em sua casa na localidade do Parové, interior de Alegrete. Os policiais não identificaram indícios de violência e atribuíram a morte a problemas de saúde, após exame pericial. Desde então, outros casos semelhantes têm sido notados, todos compartilhando a característica de homens que viviam sozinhos.

Cães, dóceis e dentro de pátio, são mortos cruelmente envenenados

No bairro Vila Nova, Yuri da Silva Cordeiro, de 49 anos, foi encontrado morto em sua residência, conhecido por seus problemas com álcool. Em junho, João Carlos Antunes Macedo, 63 anos, foi encontrado sem vida em sua casa, e, no mesmo mês, um hóspede de 53 anos foi encontrado morto em um hotel da região central. Edison Pereira Fagundes, 59 anos, também vivendo sozinho, foi descoberto sem vida no bairro Canudos, vítima de mal súbito ou infarto.

Em julho, João Fernandes dos Santos Carvalho, de 57 anos, foi encontrado em um campo no bairro Vila Nova, e a morte foi considerada natural após necropsia. Agosto trouxe dois registros: Robson Dorneles Rodrigues, de 52 anos, encontrado no Rio Ibirapuitã, e Breno Euclides Freitas da Rosa, 62 anos, morto em casa após enfrentar problemas de alcoolismo.

A sequência trágica continua em setembro, com Moacir Quiroga Naziazeno, 56 anos, vítima de infarto agudo do miocárdio, e em outubro, com Sergio Augusto Trindade Muniz, 63 anos, que se recusava a buscar tratamento médico para seus problemas de saúde relacionados ao álcool.

Antônio Amarante, um alegretense irrequieto por natureza, vive longe há quase 60 anos

Outro episódio ocorreu durante o OktoberSportDay, quando um corpo em avançado estado de decomposição foi encontrado às margens do Rio Ibirapuitã. O cadáver, ainda não identificado, foi retirado da água pelas autoridades e sepultado depois de uma semana. Dois meses após, a situação ainda é um mistério sem nenhum contato de possíveis familiares ou algo que identifique diante de registro de desaparecido. A Polícia Civil de Alegrete aguarda laudo do IGP para identificá-lo.

O último foi no dia 18 de dezembro, quando Selei Noé Mendes de Carvalho, 69 anos, foi encontrado sem vida em sua residência. A Polícia Civil constatou que a morte foi natural, possivelmente devido a um mal súbito, considerando os problemas cardíacos enfrentados pelo homem.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários