Estátua de Mário Quintana sofre ação de vândalos

A estátua do Mário Quintana, uma obra de arte colocada em um banco na Praça Getúlio Vargas, chama atenção de nativos e pessoas de outras cidades que param para fotografar junto ao poeta alegretense.

Menos de dois meses, depois dele estar ali, na forma e detalhes que mostram quase no tamanho original, a estátua teve ação de vândalos.

olho esquerdo foi danificado

A parte superior do olho esquerdo do poeta foi avariada. Alguns que passaram pela praça lamentaram o ocorrido na obra, que se tornou atração turística na praça central de Alegrete.

Estátua de Mário Quintana é inaugurada em frente ao calçadão de Alegrete

alegretenses lamentam o fizeram no olho do poeta

Construída pelo artista plástico Rossini Rodrigues, Mário Quintana está eternizado em um banco da praça Getúlio Vargas, em frente ao calçadão.

O secretário de infraestrutura, Mário Rivelino Soares, descreveu que já estão avaliando como será a reconstrução da parte danificada. “Acredito que terá que ser o próprio artista” – destacou.

Ele também acrescentou que o setor de videomonitoramento da Secretaria de Segurança Pública, Mobilidade e Cidadania já está verificando as imagens e as providências serão tomadas.

Cão fica prensado entre paredes com o foguetório da virada; Bombeiros salvaram o animal

O poeta

Mario Quintana, conhecido como o “poeta das coisas simples”, foi um escritor modernista, jornalista e tradutor brasileiro. Ele é considerado um dos maiores poetas do século XX. Quintana escrevia de maneira prolífica e silenciosa, mantendo-se distante dos holofotes. Seu estilo irônico dava certo tom de comicidade à sua obra, mesmo com temas como a morte, o tempo, e a ideia de infância perdida.

Em 1980, Mario recebeu o “Prêmio Machado de Assis” da Academia Brasileira de Letras (ABL). No ano seguinte, o poeta recebeu o “Prêmio Jabuti” de Personalidade Literária do Ano.

Em 1940, ele lançou o seu primeiro livro de várias poesias, A Rua dos Cataventos, iniciando a sua carreira de poeta, escritor e autor infantil.

A obra trata-se de um livro de sonetos, em que a cadência prosaica, cheia de informalidade e índices afetivos, programaticamente ressaltados pelo poeta, são moldados pela métrica, pelo ritmo e pelas rimas, produzindo um contraste inusitado entre forma e fundo, entre a matéria (movente) e o tratamento artístico (fixo) que Quintana lhe dedica. O conjunto de 35 sonetos reunidos em ‘A rua dos cataventos’ expressa várias das preferências temáticas do autor e muitos dos motivos que serão recorrentes ao longo de toda a sua produção

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários