Polo da Conceição comemora 31 anos de educação e cultura no interior de Alegrete

As comunidades rurais distantes, muitas vezes, mais de 50KM da sede da cidade são as que mais precisam de serviços e eventos e isso passa pelos Polos Educacionais Rurais de Alegrete.

Polo da Conceição faz niver

E neste dia 26, a comunidade da Conceição comemora os 31 anos da Escola Murilo Nunes de Oliveira. As escolas rurais mantém todos os projetos pedagógicos propostos pela Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer e, dentre o diferencial, desenvolvem pomares e as hortas escolares que servem para suprir a própria merenda escolar, como a da EMEB da Conceição.

Leia Mais: Dudu, uma história de vida que é pura inspiração

A realidade de alunos que estudam em polos é diferente dos que frequentam educandários na cidade, porque moram em granjas e outros estabelecimentos rurais e muito cedo precisam acordar e pegar o transporte escolar para chegarem às suas escolas. Assim como os professores que atuam na área rural aqui no Município.

Leia Mais: Madrugadas de agressões e desmedida liberdade a jovens e adolescentes; veja o vídeo

Horta do polo da Conceição-Alegrete

Os polos educacionais, de Alegrete, e este da Conceição com 150 alunos, são centros agregadores, tanto da disseminação de conhecimento na área rural, como de cursos e eventos que envolvem às famílias e comunidades do entorno que trabalham no interior e não têm acesso a muitas atividades que acontecem na cidade, visto que este em específico fica a 49Km da área urbana de Alegrete, com percurso em estrada de chão que dura cerca de uma hora e cinco minutos.

Diretor Sandro Barúa e professores do Polo da Conceição na pandemia.

Murillo Nunes de Oliveira fundou a primeira escola do interior do município que se chamava Joana Noronha na primeira metade do século passado. Posteriormente, na administração de José Rubens Pillar, quando a professora Ana Regina Gorski Rodrigues (ambos in memoriam) era secretária de educação passou a polo educacional, em terras doadas pelo meu avô, comentou a professora e agente cultural, Andreia Oliveira.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários