Um mês depois da maior tragédia que assolou o RS, são incontáveis os testemunhos de solidariedade

As enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul, no início de maio, transformaram diversas cidades em verdadeiros cenários de guerra.

Porto Alegre, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Lajeado e outros municípios sofreram com a devastação. Muitas famílias perderam tudo, enfrentando situações extremamente delicadas.

Diante dessa catástrofe, uma forte corrente de solidariedade se formou. Em todo o país e até fora dele, pessoas se mobilizaram para ajudar. A ajuda veio em várias formas, desde doações de alimentos, roupas e calçados, até ações voluntárias como a limpeza de casas e o apoio na recuperação de móveis e outros pertences.

Taxistas reclamam que carros de aplicativos param em pontos exclusivos para eles

João Paulo Conceição, natural de Alegrete, foi um dos muitos voluntários na última semana. “Uma experiência que jamais vou esquecer na minha vida. Cheguei e me somei a outros grupos. É uma corrente de esperança de que eles não estão sozinhos. É o povo pelo povo”, relatou.

Ele descreveu a rede de solidariedade como algo muito marcante. A necessidade de tudo era evidente: água, comida, roupas. “Independente do que tivesse no caminhão eles queriam, pois tudo era importante.”

Músico alegretense, autor do projeto Force Divine, é membro da maior associação de direito autoral do mundo

Uma cena que o marcou profundamente foi a dos animais que morreram nas residências, muitos presos em grades e impossibilitados de escapar. João Paulo participou de ações de arrecadação, entregando parte dos itens, inicialmente para a Defesa Civil de Alegrete. E durante suas férias, resolveu contribuir ainda mais, indo para a capital com uma caminhão de doações entre alimentos, água e cobertas, permanecendo em São Leopoldo e Novo Hamburgo, por uma semana, onde a destruição também resultou em grandes perdas. Ele ainda auxiliou na limpeza das casas.

As doações que ele entregou foram possíveis graças a ajuda de amigos do Mato Grosso. A tragédia no Rio Grande do Sul completou um mês no dia 29 de maio, com o ápice das chuvas ocorrendo no dia 3 do mesmo mês. Desde então, a mobilização solidária não parou, demonstrando a capacidade de união e empatia da sociedade em momentos de crise.

“É uma dor eterna”, diz mãe que perdeu o filho horas depois do seu nascimento

Essa corrente de apoio tem sido crucial para as vítimas das enchentes, mostrando que, mesmo diante das maiores adversidades, a empatia pode fazer a diferença na vida de muitas pessoas.

Se inscrever
Notificar de
guest

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários